Leão-marsupial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Como ler uma caixa taxonómicaThylacoleonidae
Thylacoleo BW.jpg

Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Marsupialia
Ordem: Diprotodontia
Família: Thylacoleonidae
Géneros
Priscileo

Wakaleo

Thylacoleo
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Leão-marsupial

O leão-marsupial é o nome genérico dado aos extintoss marsupiais da família Thylacoleonidae, que habitaram a Austrália no Neogénico. Apesar do nome popular, estes animais não estão relacionados com os leões, que são mamíferos placentários da família Felidae. O grupo surgiu no Oligocénico (ca. 33 milhões de anos) e extinguiu-se no Plistocénico (c. 10 mil anos atrás). Foram encontrados fósseis de oito espécies de leões marsupiais classificadas em três géneros. A família Thylacoleonidae evoluiu a partir de antepassados herbívoros pertencentes à infra-ordem Vombatiformes que inclui os wombats e coalas modernos, os parentes mais próximos do leão marsupial.[1]

Os tilacoleonídeos mais primitivos, pertencentes ao género Priscileo, eram pouco maiores de uma doninha e tinha uma dentição pouco especializada. Eram possivelmente omnívoros e arbóreos. O género Wakaleo surgiu no Miocénico e representa uma evolução no sentido de um maior tamanho.[2]

O leão marsupial, no sentido estrito, surgiu no Pliocénico e pertenceu ao género Thylacoleo. Era um carnívoro voraz que se alimentava possivelmente de cangurus e wombats gigantes, entre outros herbívoros australianos. O Thylacoleo tinha dentes caninos muito reduzidos e matava as suas presas com os quatro incisivos longos e projectados para a frente. O tipo de molares sugere que não fosse capaz de roer nem esmagar ossos, sendo altamente especializado para a mastigação de partes moles. Por comparação, os felinos matam as presas com os dentes caninos e conseguem mastigar ossos. O Thylacoleo tinha dimensões semelhantes às de um leopardo actual mas o seu corpo era muito mais robusto e calcula-se que pesasse o mesmo que um leão moderno. As pernas dianteiras eram bastante poderosas e terminavam em patas com polegar oponível e garras longas. Estas características sugerem que caçassem de emboscada em vez de perseguições rápidas.

Os leões marsupiais sobreviveram até à chegada do homem moderno ao continente australiano. É pouco provável que os aborígenes tivessem entrado em conflito directo com estes predadores. No entanto, os danos que causaram às faunas de herbívoros contribuiu para o desaparecimento destes carnívoros altamente especializados há cerca de 10.000 anos.

Classificação taxonómica[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Werdelin, L. Circumventing a Constraint - the Case of Thylacoleo (Marsupialia, Thylacoleonidae). Australian Journal of Zoology. Página visitada em 2008-06-03.
  2. Wroe, Stephen. Move Over Sabre-Tooth Tiger. Australian Museum. Página visitada em 2008-06-03.
  3. Haaramo, Mikko. Diprotodontia - diprotodonts. Mikko's Phylogeny Archive. Página visitada em 2007-12-29.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]