Liezi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Zhongwen.svg Este artigo contém texto em chinês.
Sem suporte multilingue apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de caracteres chineses.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Liezi
"Liezi em uma paisagem", pintura de 1814 do chinês Su Renshan
Trecho do capítulo Yang-chu do Liezi, pelo japonês Kojima Soshin por volta de 1651

Liezi, Lie-Tzu,[1] Lie-tsé[2] ou Lieh-tsé[3] (Chinês: 列子; Pinyin: Lièzĭ; Wade-Giles: Lieh Tzu) é o nome de um importante filósofo taoista chinês, bem como do livro que escreveu, o qual constitui um dos três livros clássicos do taoismo (os outros dois são o Tao Te Ching e o Zhuangzi). Também chamado Lie Yukou (Chinês: 列圄寇 ou 列禦寇; Pinyin: Lìe Yǔkòu; Wade-Giles: Lieh Yü-k'ou), Liezi teria vivido aproximadamente no século V a.C., durante o período das Cem Escolas de Pensamento.

Lie Yukou teria sido um filósofo, um rapsodo, um poeta da China antiga, que reuniu vários textos taoistas e confucionistas e que, deles, retirou princípios filosóficos de grande importância na formação cultural chinesa.

Modernamente, acredita-se que o livro tenha sido compilado entre os séculos IV e I a.C.[4]

No Brasil, a tradução deste livro atribuído a Lie Yukou recebeu o título de "Tratado do Vazio Perfeito".

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Os oito capítulos do Liezi:

Capítulo Chinês Pinyin Tradução
1 天瑞 Tian Rui Presentes do céu - cosmogônia
2 黃帝 Huang Di O imperador amarelo
3 周穆王 Zhou Mu Wang O rei Mu de Zhou
4 仲尼 Zhong Ni Confúcio
5 湯問 Tang Wen As questões de Tang
6 力命 Li Ming Empenho e destino
7 楊朱 Yang Chu Yang Chu
8 說符 Shuo Fu Explicando condições - a causalidade

A maioria dos capítulos do Liezi receberam seus títulos de personagens famosos da história e da mitologia da China, como os sábios governantes Imperador Amarelo, rei Tang de Shang e rei Mu de Zhou, ou filósofos como Confúcio e Yang Zhu.

Quando comparado aos escritos filosóficos de Laozi e às narrativas poéticas de Zhuangzi, o Liezi é, geralmente, considerado o mais prático dentre os principais textos taoistas.

Referências

  1. LAO-TSÉ. Tao Te Ching: o livro que revela Deus. Tradução de Huberto Rohden. São Paulo. Martin Claret. 2003. p. 188.
  2. BLOFELD, J. Taoismo: o caminho para a imortalidade. Tradução de Gílson César Cardoso de Souza. São Paulo. Pensamento. p. 65.
  3. BLOFELD, J. Taoismo: o caminho para a imortalidade. Tradução de Gílson César Cardoso de Souza. São Paulo. Pensamento. p.38.
  4. LAO-TSÉ. Tao Te Ching: o livro que revela Deus. Tradução de Huberto Rohden. São Paulo. Martin Claret. 2003. p. 188.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]