Maria de Gueldres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde agosto de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Maria de Gueldres
Rainha da Escócia
Reinado 3 de julho de 1449 - 3 de agosto de 1460
Cônjuge Jaime II da Escócia
Descendência
Jaime III da Escócia
Alexandre Stuart, Duque de Albany
Davi Stewart, conde de Moray
João Stewart, conde de Mar
Margarida Stewart
Maria Stewart, condessa de Arran
Casa Casa de Egmond (por nascimento)
Casa de Stuart
(por casamento)
Pai Arnaldo, duque de Gueldres
Mãe Catarina de Cleves
Nascimento 17 de janeiro de 1433
Grave, Brabante do Norte, Holanda
Morte 1 de dezembro de 1463 (29 anos)
Castelo de Roxburgo, Escócia
Enterro Abadia de Holyrood, Edimburgo

Maria de Gueldres ou Maria de Egmond (Grave, 17 de janeiro de 1433 - Edimburgo, 1 de dezembro de 1463) foi a rainha consorte de Jaime II da Escócia e serviu de regente para aquele país de 1449 a 1460.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria era a mais velha dos cinco filhos de Arnaldo, duque de Gueldres, e de Catarina de Cleves, filha do duque Adolfo I de Cleves.

Aos dezesseis anos, em 3 de julho de 1449, casou com Jaime II da Escócia, no Palácio de Holyrood, e eles tiveram sete filhos:

  1. Um filho sem nome (nascido e morto em 19 de maio de 1450);
  2. Jaime III da Escócia (10 de julho de 1451 - 11 de junho de 1488);
  3. Maria (13 de maio de 1453 - 1488);
  4. Alexandre (1454 - 1485), duque de Albany;
  5. Davi (1455 - 17 de julho de 1457), conde de Moray a partir de 16 de fevereiro de 1456;
  6. João (c. 1457 - 1479), conde de Mar e de Garioch;
  7. Margarida, amante de Lorde Guilherme Crichton.

Regência[editar | editar código-fonte]

Após a morte acidental de seu esposo, em 1460, Maria tornou-se regente do reino escocês em favor de seu filho Jaime, que tinha apenas nove anos então, até a sua morte, três anos depois.

Ela participou de forma indireta da Guerra das Rosas que acontecia na Inglaterra na época. Enquanto ainda estava de luto pela morte de Jaime II, a rainha lancastrina Margarida de Anjou fugiu para a Escócia em busca de refúgio dos iorquistas e Maria lhe estendeu a mão e acolheu Eduardo de Westminster em sua casa para mantê-lo longe dos inimigos.

Maria cedeu tropas escosesas para ajudar Margarida e a causa lancastrina, e, em 1461, as duas rainhas chegaram a organizar o noivado entre o príncipe Eduardo e a irmã mais nova de Jaime III, Margarida. Em troca de seu apoio, Maria queria a cidade fronteiriça de Berwick, a qual Margarida pretendia ceder.

Todavia as relações entre ambas diminuíram com a aliança crescente entre o rei Eduardo IV da Inglaterra e o duque Filipe da Borgonha, que era tio de Maria e, caso ela demonstrasse amizade para Margarida, inimiga de Eduardo, isto poderia ameaçar a aliança que Filipe precisava com o rei Eduardo contra o rei Luís XI da França.

Eduardo tentou evitar o apoio de Maria a Margarida propondo casamento à rainha viúva, mas ela recusou. Filipe pressionou-a a desfazer o noivado entre a princesa Margarida da Escócia e o príncipe Eduardo para desapontamento de Margarida.

Maria faleceu aos trinta anos e seu corpo foi sepultado na antiga Igreja Colegiada da Trindade, que ela fundara três anos antes em memória de seu esposo. Ela se localizava na área atualmente conhecida como a Milha Real de Edimburgo, tendo sido demolida, em 1848, para abrir caminho para uma estação ferroviária. Atualmente, seus restos mortais repousam na Abadia de Holyrood.

Precedida por:
Joana Beaufort
Rainha da Escócia
3 de julho de 1449 - 3 de agosto de 1460
Sucedida por:
Margarida da Dinamarca