Maria de Portugal, Princesa de Aragão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Realeza Portuguesa
Casa de Borgonha
Descendência
PortugueseFlag1185.svg

Maria, infanta de Portugal (1342 — 137?) era filha de Constança Manuel, de Castela, e de Pedro I, rei de Portugal.

Era neta materna da infanta Constança de Aragão (1300-1327) e de João Manuel de Castela, príncipe de Vilhena (1282-1348), sendo portanto trineta do rei Fernando III de Leão e Castela.

Em 1354, o seu pai casou-a com o primo afastado Fernando de Aragão (nascido em 1329, que foi marquês de Tortosa e era quinze anos mais velho do que ela, filho de Leonor, infanta de Castela, e do rei Afonso IV de Aragão). Deste casamento não houve descendência, devido ao facto da infanta ser estéril.

Enviuvando em 1363, Maria permaneceu em Aragão, onde em 1370 conheceu o genovês Badasal de Espínola. Fernão Lopes, na Crónica de D. Fernando (capítulo LIV), conta-nos o que aconteceu a seguir: Micer Badasal não se tornou mais para o reino (de Portugal), e a afeição longa que com a Infanta houve, feito gerador sempre de semelhantes frutos, lhe fez com que ela vendesse quantas rendas tinha em Aragão e se fosse com ele para Génova, e depois ele a deixou e ela viveu minguadamente, morrendo mui afastada do que a sua honra pertencia.

Não conhecemos a data da sua morte, apenas podemos deduzir, pelo que Lopes escreveu (a afeição longa), que tal sucesso é bastante posterior a Abril de 1371.