Marie-Louise O'Murphy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mademoiselle O'Murphy aos catorze anos, pintada por François Boucher.

Marie-Louise O'Murphy, La Belle Morphyse, (Ruão, 21 de outubro de 1737Paris, 12 de dezembro de 1814), também grafada em francês Morphy, por três anos (1752-1755) amante do rei Louis XV, foi uma cantora e cortesã francesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Quinta filha de um oficial irlandês, que se instalara como sapateiro em Ruão. Depois da sua morte, a mãe levou a menina a Paris. Ali atuou como cantora, como a irmã mais velha, Victoire.

Aos catorze anos de idade posou para um famoso retrato nu do artista francês François Boucher, em 1752. Sua beleza logo atraiu a atenção de um dos oficiais de Louis XV, Dominique Guillaume Lebel, que a introduziu na corte como uma das cortesãs reais, logo se tornando uma das favoritas. Deu ao rei, em 1754, uma filha bastarda.1 . Alguns autores sustentam que com o rei também era mãe do General Louis Charles Antoine de Beaufranchet - mas este nasceu em 1757, dois anos após seu casamento com Jacques de Beaufranchet, em novembro de 1755 - após o fim de seu relacionamento real.

Este casamento foi arranjado depois que cometera um erro comum às cortesãs, que foi o de tentar substituir a amante oficial. Por volta de 1754 ela tentou a já antiga favorita do rei, Madame Pompadour, numa estratégia infeliz que resultou em sua rápida queda da corte.

Ficando viúva do conde Beaufranchet, morto na batalha de Rossbach, veio a se casar outras duas vezes: a segunda com François-Nicolas Lenormand, conde de Flaghac, com quem teve uma filha, e pela terceira em 1798 com Louis Philippe Dumont, deputado de Calvados na Convenção Nacional, trinta anos mais novo. Este consórcio durou menos de um ano e terminou em divórcio.

Casanova[editar | editar código-fonte]

A história de Louison (como também foi conhecida O'Murphy), também foi documentada por Giacomo Casanova, em suas memórias. Ali descreve minuciosamente seu encontro com a cortesã, numa recepção durante sua primeira viagem a Paris. Nesta ocasião o aventureiro registrou que lhe foi oferecida a aquisição de uma pintura da bela cortesã, deitada num sofá, executada "...por um pintor alemão".

Casanova consignou em suas memórias:

«O habilidoso artista posicionou suas pernas e coxas de modo que o observador fique com o desejo de ver mais. Eu fiz escrever abaixo: O-Morphi, palavra que não é homérica, mas nem por isso deixa de ser grega. Ela significa Beleza2  »

A Moça deitada[editar | editar código-fonte]

Diversas pinturas, derivadas do quadro de François Boucher, retratam a versão feita da jovem O'Murphy, algumas pelo próprio artista. A versão que ilustra o verbete, intitulada L'Odalisque Blonde (A odalisca loura), de 1752, pertence atualmente à Alte Pinakothek, Munique, Alemanha. Diversos artistas produziram cópias deste quadro.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Que era Agathe Louise de Saint-Antoine de Saint-André (1754-1774) noiva, em 1773, de René-Jean-Mans de La Tour du Pin, marquês de Charce, (1750-1781)
  2. Livre tradução para: L’habile artiste avait dessiné ses jambes et ses cuisses de façon que l’œil ne pouvait pas désirer de voir davantage. J’y ai fait écrire dessous : O-Morphi, mot qui n’est pas homérique, mais qui n’est pas moins grec. Il signifie Belle.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]