Maurice Ronet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Maurice Ronet (Nice, 13 de abril de 1927Paris, 14 de março de 1983) foi um ator e diretor de cinema francês.

Foi um dos atores favoritos dos diretores de um dos movimentos renovadores do cinema do pós-guerra, a chamada nouvelle vague, com seu tipo urbano, sofisticado, levemente entediado e - no caso de Le feu follet (br: Trinta anos esta noite, 1963) - amargurado e descrente.

Estreou no cinema logo após o fim da segunda guerra mundial, em Rendez-vous de juillet (1949). Começou a ficar conhecido do público brasileiro com uma co-produção franco-grega, dirigida por Jules Dassin, Celui qui doit mourir (br: Aquele que deve morrer, 1957). Estava ao lado de Jeanne Moreau em um dos filmes seminais da nouvelle vague, Ascenseur pour l'échafaud (br: Ascensor para o cadafalso, 1957), de Louis Malle.

Já era uma estrela quando filmou, no ano seguinte, ao lado de Alain Delon, o homoerótico Plein soleil (br: O sol por testemunha, 1960), de René Clément, baseado no romance The Talented Mr. Ripley, da escritora estadunidense Patricia Highsmith.

Sua interpretação mais contida é, também a mais magistral: o papel do viciado que sai do sanatório e visita cada amigo e cada canto de Paris, em busca de uma razão para continuar vivo, em Feu Follet, também dirigido por Louis Malle.

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator ou atriz de cinema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.