Miguel Mauricas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miguel Mauricas
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação General
Religião Catolicismo

Miguel Mauricas ou Maurex (em grego: Μαυρίκας/Μαύρηξ) foi um comandante naval bizantino ativo no final do século XI, principalmente durante as guerras bizantino-normandas. Sua identidade não é certa, pois diversas pessoas acabaram identificadas com ele: um "Mauricas" foi um rico marinheiro e um magnata de Heracleia Pôntica, um almirante chamado nas fontes latinas de Mambrita ou Mambrica, que esteve ativo contra os normandos nas décadas de 1060 a 1080, e um Miguel Mauricas, um general e governador conhecido pelos seus selos.[1] [2] [3]

Identificação[editar | editar código-fonte]

No Oxford Dictionary of Byzantium, Alexander Kazhdan aceita que o magnata Mauricas e o almirante sejam a mesma pessoa, mas considera que a identificação com Miguel Mauricas seja duvidosa, pois o primeiro não aparece como tendo nenhum dos títulos deste Mauricas.[4] De forma similar, Michael Hendy duvida da identificação do magnata Mauricas, uma "pessoa privada", com qualquer dos comandantes militares de mesmo nome, mas considera que o general Mauricas e o comandante naval sejam a mesma pessoa.[5]

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com Nicéforo Briênio, Mauricas teve uma origem humilde em Heracleia e era muito habilidoso em assuntos navais, o que fez dele, nas palavras de Briênio, "indispensável" para o Império Bizantino, fazendo dele um home rico pelos presentes que recebia dos sucessivos imperadores.[6] [7] O general Miguel Mauricas aparece pela primeira vez por volta de 1050, com o título relativamente inferior de ostiário e os selos encontrados com seu nome permitem acompanhar sua ascensão a hípato, patrício, vestes e estratego de Quios, vestarca e catepano do Tema de Dirráquio, magistro, proedro e duque do Tema Bucelário, até curopalata e duque de Antioquia.[8] [9] [10] [11]

Em 1066, de acordo com o Breve chronicon Northmannicum, Mauricas (Mambrica/Mambrita) comandou um frota que impediu uma tentativa de invadir os Balcãs do conde Godofredo de Taranto e, no ano seguinte, à frente de um exército bizantino que ele desembarcou na Apúlia, tomou Bari, Taranto e Castellaneta dos normandos. Ele não conseguiu impedir, porém, que eles cercasse Bari novamente em 1068 e, dois anos depois, aparece novamente lutando contra Godofredo e Roberto Guiscardo.[12] [13] Por volta de 1076, de acordo com Briênio, Mauricas hospedou o futuro imperador Aleixo Comneno em suas terras em Heracleia. Aleixo, era ainda um general em campanha contra os turcos seljúcidas, e Mauricas deu-lhe muitas tropas retiradas de seu exército pessoal.[14] [15] [16]

Mauricas aparece novamente na crônica de Ana Comnena, sem maiores comentários, liderando uma frota conjunta de bizantinos e venezianos que venceu os normandos na primavera de 1082.[17] Ele aparece pela última vez em 1084, quando ele é brevemente mencionado (dux Mabrica) por Guilherme da Apúlia como sendo o comandante de um frota bizantina estacionada em Corfu.[18] [19]

Referências

  1. Kazhdan 1991, p. 1317
  2. Skoulatos 1980, p. 197
  3. Stephenson 2000, p. 157
  4. Kazhdan 1991, p. 1317
  5. Hendy 2008, p. 240
  6. Kazhdan 1991, p. 1317
  7. Skoulatos 1980, p. 197
  8. Kazhdan 1991, p. 1317
  9. Skoulatos 1980, p. 197–198
  10. Stephenson 2000, p. 157
  11. Michael 10108 - Michael Maurix (Maurikas) (em inglês). Visitado em 16/04/2014.
  12. Skoulatos 1980, p. 197
  13. Stephenson 2000, p. 157
  14. Hendy 2008, p. 240
  15. Kazhdan 1991, p. 1317
  16. Skoulatos 1980, p. 197
  17. Ana Comnena século XI, IV.3
  18. Kazhdan 1991, p. 1317
  19. Skoulatos 1980, p. 197–198

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hendy, Michael F.. Studies in the Byzantine Monetary Economy c. 300–1450. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press, 2008. ISBN 0-521-24715-2.
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.
  • Skoulatos, Basile. Les personnages byzantins de I'Alexiade: Analyse prosopographique et synthese,. [S.l.: s.n.], 1980.
  • Stephenson, Paul. Byzantium's Balkan Frontier: A Political Study of the Northern Balkans, 900-1204. [S.l.]: Cambridge University Press, 2000. ISBN 0-521-77017-3.