Moela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde outubro de 2013). Ajude e colabore com a tradução.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A moela faz parte do sistema digestivo das aves (principalmente das aves granívoras) e realiza a digestão mecânica dos alimentos. Na boca das aves não há dentes, mas um bico que é adaptado ao tipo de alimentação mais comum de cada espécie. À boca, segue-se a faringe e no esófago é encontrada uma bolsa chamada papo. Nele o alimento vai sendo amolecido para depois avançar até o estômago químico, que solta enzimas digestivas para que se inicie o processo de digestão, que terminará na moela. A moela é um compartimento muito musculado do tubo digestivo onde, com a ajuda de pequenas pedras e areia, os alimentos são esmagados. Este tubo digestivo termina então na cloaca, que é o local de desemboque dos sistemas excretor, reprodutor e digestivo.

Gastrolitos[editar | editar código-fonte]

Alguns animais que não possuem dentes engolem pedras ou gravilha para ajudar a digestão. Todas as aves possuem moelas, mas nem todos engolem pedras ou gravilha. As aves que o fazem, empregam o método de 'mastigação':

"Uma ave engole pequenos pedaços de gravilha que actuam como 'dentes' na moela, desfazendo a comida mais dura como sementes e consequentemente auxiliando a digestão." [1]

Essas pedras são chamadas pedras da moela ou gastrolitos e são normalmente redondos e suaves devido à acção de polimento que sofre no estômago do animal. Quando estão demasiado suaves para fazerem o trabalho requerido, podem ser expulsas ou regurgitadas.

Animais com moelas[editar | editar código-fonte]

Aves[editar | editar código-fonte]

Todos as aves têm moelas. As moelas dos emus, perus, galinhas e patos são muito utilizadas em culinária (ler abaixo).

Peixes[editar | editar código-fonte]

A tainha (Mugilidae) encontrada em estuários marinhos um pouco por todo o Mundo, and the gizzard or mud shad, encontrado em lagos de agua doce e ribeiros de Nova Iorque ao México, possuem moelas. O Salmo stomachius), um espécie ricamente colorida de truta encontrada no lago irlandês, Lough Melvin em County Fermangh, tem uma moela que é utilizada na digestão de caracóis marinhos, o componente principal da sua dieta.

Reptéis[editar | editar código-fonte]

Os jacarés e os crocodilos também possuem moelas.

Invertebrados[editar | editar código-fonte]

A maioria dos invertebrados também têm moelas. A moela é utilizada para moer comida, e faz parte do sistema digestivo.

Dinossauros[editar | editar código-fonte]

Dinossauros que se crêem ter moelas baseado na descoberta de pedras de moela recuperadas próximas de fósseis incluem:

Supôs-se que o Claosaurus possuía moelas, mas descobriu-se tratar de um A) Edmontosaurus annectens e B) provavelmente baseado em seixos rolados pela água; [2]

Culinária[editar | editar código-fonte]

As moelas de aves são uma comida popular por todo o Mundo.[3] As moelas de frango grelhadas são vendidas por vendedor ambulantes no Haiti e em todo o Sudeste Asiático.


Referências

  1. Solomon et al., 2002
  2. Creisler, Benjamin S. 2007. Deciphering duckbills. Page 199 in Carpenter, Kenneth (ed.). "Horns and Beaks: Ceratopsian and Ornithopod Dinosaurs". Indiana University Press: Bloomington and Indianapolis
  3. List of cookbooks containing gizzard recipes. [S.l.]: Amazon.com. Página visitada em 2009-02-05.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Solomon, E.P., Berg L.P., and Martin D.W., 2002. Biology Sixth Edition. Thomson Learning Inc., Australia, Canada, Mexico, Singapore, Spain, United Kingdom, United States pp. 664
  • Dyce, Sack, Wensing, 2002. Textbook of Veterinary Anatomy Third Edition, Saunders. ISBN 0-7216-8966-3