Os Bruzundangas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os Bruzundangas
Autor (es) Brasil Lima Barreto
Idioma português brasileiro
País Brasil Brasil
Género Romance
Editor Jacintho Ribeiro dos Santos
Lançamento 1922 (1a. edição)
Páginas 191 (1a. edição)
Cronologia
Último
Último
Histórias e Sonhos
Bagatelas
Próximo
Próximo
Wikisource
O Wikisource possui esta obra:
Os Bruzundangas

Os Bruzundangas é um livro de autoria do escritor brasileiro Lima Barreto, publicado póstumamente em 1922.[1] Os direitos autorais sobre as crónicas satíricas Notas sobre a República dos Bruzundangas ou Os Bruzundangas foram vendidos ao editor Jacintho Ribeiro dos Santos em 1917.[2]

Tema[editar | editar código-fonte]

A obra é uma sátira da vida brasileira nos primeiros anos da Primeira República, [3] Bruzundanga é um país fictício, onde havia, tal a como na Primeira República, diversos problemas sociais, econômicos e culturais, entre os quais os títulos acadêmicos possuídos pelos ricos que eram não mais que pseudo-eruditos.[4]

No capítulo "Um mandachuva" ele traça os contornos de um político anônimo, cujo perfil mantém a sua atualidade decorridas mais de oito décadas do esboço. O político vem de uma cidadezinha no interior do país, tendo tido sua formação restrita às suas atividades domésticas e profissionais, sem qualquer gosto por pensamentos mais altos como a arte e a cultura, mediocridade, desinteresse, provincianismo e descaso pelas audiências públicas.[5]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Alfredo Bosi afirma que a obra não é sobre um lugar fictício, mas sobre o Brasil do começo do século:

Com Os Bruzundangas Lima Barreto fez obra satírica por excelência. Valendo-se do feliz expediente de Montesquieu nas Cartas Persas, imaginou um visitante estrangeiro a descrever a terra de Bruzundanga, nada mais nada menos que o Brasil do começo do século. Escrita nos últimos anos, a obra traz forte empenho ideológico e mostra o quanto Lima Barreto podia e sabia transcender as próprias frustrações e se encaminhar para uma crítica objetiva das estruturas que definiam a sociedade brasileira do tempo.
A. Bosi em História concisa da literatura brasileira[6]

Referências