Clara dos Anjos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Clara dos Anjos
Autor (es) Brasil Lima Barreto
Idioma português brasileiro
País Brasil Brasil
Género Romance
Lançamento 1948 (1a. edição)
Cronologia
Último
Último
Bagatelas
Diário Íntimo
Próximo
Próximo
Wikisource
O Wikisource possui esta obra:
Clara dos Anjos

Clara dos Anjos é um livro póstumo do escritor brasileiro Lima Barreto, pertencente ao pré-modernismo brasileiro. Concluído em 1922, ano da morte do autor, foi publicado em 1948.

Obra[editar | editar código-fonte]

A história é contada no subúrbio do Rio de Janeiro. Clara dos Anjos, filha do carteiro Joaquim dos Anjos, é uma mulata muito bem educada por bons valores ao lado de sua família, mas um dia se apaixona pelo malandro Cassi Jones, um jovem ignorante. Devido a suas várias aventuras, o pai de Cassi não fala mais com ele, por causa de seus abusos às várias donzelas e fins de vários casamentos. A mãe de uma das vítimas se suicidou, e o marido dela distribuiu um dossiê sobre Cassi por toda a cidade. Cassi vai a São Paulo para um possível emprego, Clara engravida e revela a sua mãe toda a verdade. Sua mãe tenta falar com a família de Cassi, mas é tratada como mais uma mulata que cai na lábia de Cassi. Convencida pela vizinha, dona Margarida, que procurara na tentativa de conseguir um empréstimo e fazer um aborto, ela confessa o que está acontecendo à sua mãe. É levada a procurar a família de Cassi e pedir “reparação do dano”. A mãe do rapaz humilha Clara, mostrando-se profundamente ofendida porque uma menina negra quer se casar com seu filho.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Clara era uma menina ingênua e frágil, por sua vez ela é assim por culpa da sua mãe, na verdade não podemos considerar ela uma verdadeira culpada ela pensava que prendendo a filha iria tirar ela dos "maus caminhos" mas esta estava enganada, Clara era travessa queria descobrir a vida, já que não saia muito, então se deixa levar pela tentação e assim é enganada por Cassi, que por sua vez é um malandro que enganava muita gente. Joaquim era um carteiro que gostava de música ("modinhas" cariocas). Engrácia era uma dona de casa e mãe muito zelosa, e nunca imaginaria que isso aconteceria com sua filha, Dona Margarida, Dona Engrácia, Marramaque, padrinho da Clara e Renata. Assim, percebe-se o cuidado de lima barreto com a obra .

Adaptação para os quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Clara dos Anjos ganhou uma adaptação para os quadrinhos feita por Marcelo Lelis e Wander Antunes e editada pela Quadrinhos na Cia. A obra ganhou o Troféu HQ Mix de 2012 na categoria Adaptação para os quadrinhos.[1] [2]

Referências