Palladismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ordem de Palladium é um nome de uma alegada sociedade secreta satanista teísta ou membro dessa sociedade. O nome Palladiano vem de Pallas e refere-se à sabedoria e aprendizado..[1] Trata-se de qualquer relação com o estilo palladiano de Andrea Palladio.

O Palladium seria uma seita anticristã esotérica fundada no século XVIII por altos representantes da Maçonaria. O termo aparece numa suposta correspondência entre Albert Pike e Giuseppe Mazzini. Para os Palladistas, o ídolo era a imagem do Baphomet dos Templários. E o ápice da cultura intelectual satanista, ou melhor, a adoração a Lúcifer como o princípio da laicidade e da iluminação, é a Ode a Satanás de Giosuè Carducci sua máxima expressão poética. Os mestres maçons gestores da sociedade seriam também chamados de Illuminati ou "invisíveis".

História[editar | editar código-fonte]

Lewis Spence, na An Encyclopaedia of Occultism (1920), afirmou que "A Ordem de Palladium, fundada em Paris em 20 de maio de 1737, ou Soberano Conselho da Sabedoria" foi uma "ordem maçónica diabólica". As mulheres, de acordo com Spence, eram iniciadas como "companheiras de Penélope".[2] A sociedade tinha duas ordens "Adelfos" e "companheiro de Ulisses", no entanto, a sociedade era dividida pela aplicação da lei francesa, alguns anos após a sua fundação .[3]

Em 1891, Léo Taxil e Ricoux Adolphe alega ter descoberto a Ordem Palladiana.[4] Um livro francês de 1892 Le Diable au XIXe siècle ("O Diabo no Século XIX", 1892), escrito pelo "Dr. Bataille" (na verdade o próprio Léo Taxil) [5] alega que os Palladistas eram satanistas baseados em Charleston, Carolina do Sul, liderada pelo maçom americano Albert Pike e criado pelo autor e patriota italiano liberal, Giuseppe Mazzini.[6]

Uma suposta Diana Vaughan publica Confissões de uma Ex-Palladista em 1895. Em 19 de abril de 1897, Léo Taxil convocou uma conferência de imprensa em que, segundo ele, iria introduzir Diana Vaughan com a público. Na conferência em vez disso, anunciou que suas revelações sobre os maçons eram fictícias. Ele agradeceu ao clero católico para a sua assistência em dar publicidade a suas alegações selvagens .[7]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Palladian - Definition at the #1 Online Dictionary
  2. p.314 Spence, Lewis An Encyclopaedia of Occultism republished 2006 Cosimo, Inc
  3. "Pagan Protection Center" website
  4. Waite, Arthur Edward The Hermetic Museum 2006 Lulu
  5. Characterised by Waite as "a perfervid narrative issued in penny numbers with absurd illustrations of a highly sensational type; in a word, Le Diable au XIXe Siècle, which is the title given to his memoirs by the present witness, connects in manner and appearance with that class of literature which is known as the "penny dreadful." (Waite, Devil Worship in France, ch. VII (on-line text).
  6. p.204 Hastings, James, Editor Encyclopaedia of Religion and Ethics, Vol. 12 Varda Books
  7. The Confession of Leo Taxil (April 25, 1897). Visitado em 2007-10-25.