Partido Comunista da Boêmia e Morávia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Komunistická Strana Čech a Moravy
Partido Comunista da Boêmia e Morávia
Presidente Vojtěch Filip
Fundação 1989
Sede Politických vězňů 9, 111 21 Praga 1, República Tcheca
Ideologia Comunismo, Eurocomunismo, Marxismo
Espectro político Extrema esquerda
Afiliação internacional Partido da Esquerda Européia, Esquerda Unitária Europeia - Esquerda Verde Nórdica
Site www.kscm.cz

O Partido Comunista da Boêmia e Morávia (em tcheco: Komunistická Strana Čech a Moravy), cujas siglas são KSČM. É um partido político comunista da República Tcheca. À nível europeu, forma parte da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde.

A diferência de outros partidos comunistas europeus é o seu símbolo, a cereja.

Tem cerca de 107.813 membros e é um dos maiores partidos comunista não governantes e votados do mundo. É o terceiro maior partido tcheco depois do advogado do ODS e o do Partido social-democrata tcheco.

História[editar | editar código-fonte]

O KSČM foi criado em 1989, depois de um congresso extraordinário do Partido Comunista da Tchecoslováquia que decidiu fundar um partido específico para os territórios da Boêmia e Morávia, regiões que se convertiriam à República Tcheca. Em 1990, o Partido Comunista da Tchecoslováquia tornou-se uma federação de dois partidos criados depois da sua separação: o KSČM e o Partido Comunista da Eslováquia. Esta federação se rompeu em 1992.

Depois do II Congresso, vários grupos se separaram do KSČM, surgindo novos partidos de esquerda. Em 1995 um novo grupo se separou do partido passando-se a chamar Partido dos Comunistas da Tchecoslováquia (Strana československých komunistů), atualmente esta pequena formação retomou o nome do Partido Comunista da Tchecoslováquia (Komunistická strana Československa) liderado por Miroslav Štěpán.

Em maio de 2004, foi adotado pelo VI Congresso o novo programa do KSČM, titulado Esperança para a República Tcheca (Naděje pro Českou Republiku).

Em 12 de outubro de 2006 a organização juvenil do partido, a União Comunista da Juventude (Komunistický svaz mládeže, KSM) liderada por Milan Krajča foi ilegalizada pelo Ministério do Interior da República Tcheca. Pouco tempo depois se tratou também de ilegalizar o KSČM, mas ao final da propuesta no senado tcheco, não prosperou.

Nos dias 17 e 18 de maio de 2008, foi realizado o VII Congreso do KSČM em Hradec Kralove.

Resultados eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições parlamentárias[editar | editar código-fonte]

  • Eleições legislativas de 1992: 14,05 % na coalização Bloco de Esquerda (Levý blok) (Sněmovna lidu 14,27 %; Sněmovna národů 14,48 %)
  • 1996: 10,33 %
  • 1998: 11,03 %
  • 2002: 18,51 %
  • 2006: 12,81 %

Eleições senatoriais[editar | editar código-fonte]

Assim o KSČM tem atualmente 3 senadores: Vlastimil Balín, Eduard Matykiewicz, Václav Homolka.

Eleições municipais[editar | editar código-fonte]

  • 1994: 14,7 %
  • 1998: 13,58 %
  • 2002: 14,49 %

Eleições ao parlamento europeu[editar | editar código-fonte]

  • 20,26 % - 6 deputados de 24 (o segundo após o ODS): Věra Flasarová, Jaromír Kohlíček, Jiří Maštálka, Miloslav Ransdorf, Vladimír Remek y Daniel Strož.

Organização juvenil[editar | editar código-fonte]

A organização juvenil do KSČM é a União Comunista da Juventude (Komunistický svaz mládeže, KSM), atualmente ilegalizada pelo governo tcheco.

Meios de informação[editar | editar código-fonte]

O KSČM conta com o diário Haló Novinyy, a revista quinzenal Naše Alternativy. Também com a rádio "Haló" e uma web com vídeos chamada KSČM TV.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]