Pega-azul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaPega-azul
2011 Blauelster in Shanghai.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Corvidae
Género: Cyanopica
Espécie: C. cyanus
Nome binomial
Cyanopica cyanus
( Bonaparte, 1850)

A pega-azul (Cyanopica cyanus) é uma ave da família Corvidae (corvos).

Características[editar | editar código-fonte]

  • Comprimento: 34 a 35 cm
  • Envergadura: 13 a 14 cm
  • Peso: 65 a 76 g
  • Longevidade:

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Esta ave é nativa do sul da Península Ibérica (em Portugal e Espanha) e também da China, Coreia, Japão, norte da Mongólia e sul da Rússia.

Esta distribuição tão particular deve-se à fragmentação de uma população contínua que se estendia desde a Península Ibérica ao Extremo Oriente, há cerca de 1,2 milhões de anos. Esta divisão deveu-se às alterações climáticas provocadas pela última Idade do Gelo: a redução da temperatura foi tão acentuada que fez com que as populações desta espécie tivessem desaparecido da Europa de Leste e Médio Oriente, resistindo apenas as populações situadas nos extremos do continente euro-asiático. Aí encontraram refúgio, pois as temperaturas eram mais toleráveis.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Na Península Ibérica, o seu habitat natural são as matas de azinheiras e sobreiros do centro e sul. São ainda vistas com frequência em olivais, pinhais, pomares e eucaliptais.

Reprodução[editar | editar código-fonte]

É durante os meses de Abril e Maio que a pega-azul inicia o seu período reprodutivo. Geralmente nidificam em colónias, podendo encontrar-se, por vezes, vários ninhos na mesma árvore. A postura é de 5 a 7 ovos que são incubados durante 15 dias exclusivamente pelas fêmeas, sendo estas, entretanto, alimentadas pelos machos.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

A base da sua alimentação são os insectos, que no Outono são complementados com bagas e sementes.

Subespécies[editar | editar código-fonte]

Dadas as recentes descobertas (mais precisamente, em 2002) sobre a distribuição e filogenia da pega-azul, a sua classificação sistemática encontra-se neste momento em discussão. As seguintes subespécies, baseadas em características morfológicas e padrões geográficos diferentes:

  • C. cyanus cooki (Península Ibérica)
  • C. cyanus cyanus (Ásia)
  • C. cyanus gili (Península Ibérica)
  • C. cyanus pallescens (Ásia)
  • C. cyanus interposita (Ásia)
  • C. cyanus japonica (Ásia)
  • C. cyanus jeholica (Ásia)
  • C. cyanus kansuensis (Ásia)
  • C. cyanus koreensis (Ásia)
  • C. cyanus stegmanni (Ásia)
  • C. cyanus swinhoei (Ásia)

continuam a ser válidas, mas as últimas pesquisas indicam não haver diferenças genéticas significativas que justifiquem a existência de duas subespécies na Península Ibérica e nove na Ásia. As evidências científicas apontam para a existência de duas espécies pertencentes ao género Cyanopica, uma na Península Ibérica (Cyanopica cooki) e outra na Ásia (Cyanopica cyanus). Esta última, por sua vez, contém a subespécie proveniente do Japão Cyanopica cyanus japonica, que aparenta estar suficientemente isolada da restante população para ser assim considerada.1

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Pega-azul
Commons
O Commons possui multimídias sobre Pega-azul