Permanganato de potássio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Permanganato de potássio
Alerta sobre risco à saúde
Potassium-permanganate-unit-cell-3D-balls.png Kaliumperma.jpg
Nome IUPAC permanganato de potássio(VII)
Identificadores
Número CAS 7722-64-7
PubChem 24400
KEGG D02053
Propriedades
Fórmula molecular KMnO4
Massa molar 158,034 g mol-1
Aparência cristais roxo-bronze
Densidade 2,7 g cm-3 (20 °C)
Ponto de fusão

decompõe

Solubilidade em água 7,06 g/100 mL (25 °C)
Riscos associados
NFPA 704
NFPA 704.svg
0
2
3
OX
Compostos relacionados
Outros aniões/ânions Manganato de potássio
Outros catiões/cátions Permanganato de sódio
Permanganato de cálcio
Compostos relacionados Óxido de manganês (VII)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O Permanganato de potássio é um composto químico de função química sal, inorgânico, formado pelos íons potássio (K+) e permanganato (MnO4). É um forte agente oxidante. Tanto como sólido como em solução aquosa apresenta uma coloração violeta bastante intensa que, na proporção de 1,5g por litro de água (em média), torna-se vermelho forte.

História[editar | editar código-fonte]

Foi descoberto em 1659 pelo químico alemão Glauber, quando fundiu uma mistura do mineral pirolusita com carbonato de potássio. Obteve um material que dissolvido em água formou uma solução verde de manganato de potássio que, lentamente, mudou para a cor violeta devido a formação do permanganato de potássio.

Usos[editar | editar código-fonte]

É utilizado principalmente no tratamento da catapora (varicela) pois ajuda a secar os ferimentos. É usado também como agente oxidante em muitas reações químicas em laboratório e na indústria. Também é utilizado como desinfetante em desodorantes. É usado para tratar algumas enfermidades parasitarias dos pés, no tratamento da água para torná-la potável e como antídoto em casos de envenenamento por fósforo. Na África, muitos o utilizam para desinfetar vegetais com a finalidade de neutralizar qualquer bactéria presente. Soluções diluídas (0,25%) são utilizadas como enxaguantes bucais e, na concentração de 1 %, como desinfetante para as mãos.

É usado como reagente na síntese de muitos compostos químicos. Em química analítica, uma solução de aquosa padrão é usada com freqüência como titulante oxidante em titulações redox devido a sua intensa coloração violeta.

O permanganato se reduz ao cátion , Mn+2, incolor, em soluções ácidas. Em soluções neutras, o permanganato se reduz a MnO2, um precipitado marrom na qual o manganês tem um estado de oxidação 4+. Em soluções alcalinas, se reduz a um estado de oxidação 6+, formando o K2MnO4.

É utilizado como reactivo para determinar o número Kappa da polpa de celulose.

Solução aquosa de Permanganato de potássio

Precauções[editar | editar código-fonte]

O KMnO4 sólido é um forte agente oxidante e deve ser mantido longe de glicerina, etanol e outras substâncias orgânicas além do ácido sulfúrico, sob risco de reação explosiva. Soluções diluídas de permanganato de potássio em água são menos perigosas. A mistura do permanganato sólido com ácido clorídrico concentrado produz o perigoso gás cloro.

Corpo e roupas[editar | editar código-fonte]

O permanganato mancha a pele e a roupa (ao reduzir-se para MnO2), sendo necessário, portanto, manuseá-lo com cuidado. As manchas na roupa podem ser retiradas lavando com ácido acético. As manchas na pele desaparecem nas primeiras 24 horas ou pode ser removido com agua oxigenada

. A ingestão de 10 a 20 gramas geralmente é fatal. Procure imediatamente um médico caso tenha qualquer tipo de ingestão.

Referências

Bibliograficas[editar | editar código-fonte]

  • F. Burriel, F. Lucena, S. Arribas and J. Hernández, (1985), Química Analítica Cualitativa, pág. 688, ISBN 84-9732-140-5.
  • Fatiadi, A. J. Synthesis 1987, 85-127. (doi:10.1055/s-1987-27859)
  • Weeks, M. E. and Leicester, H. M.; Discovery of the Elements, Journal of Chemical Education. 1968
  • F. A. Cotton, G. Wilkinson, C. A. Murillo, and M. Bochmann (Abril 1999). Advanced Inorganic Chemistry, 6th Edition. Wiley-VCH. ISBN 0-471-19957-5
  • van Rijswijk MH, van Heusden CW.American Journal of Pathology. Out. 1979; Pág. 43-58. PMID: 495695
  • Dzhabiev, T. S.; Denisov, N. N.; Moiseev, D. N. and Shilov, A. E., "Formation of Ozone During the Reduction of Potassium Permanganate in Sulfuric Acid Solutions", Russian Journal of Physical Chemistry, 2005, vol. 79, pág. 1755-1760.
  • Barthel, H. & Duvinage, B., "Clemens Winkler. His Experiments with Ozone in 1892", Praxis der Naturwissenschaften, 2000, v. 49, Pág. 18
  • Wright JR, Calkins E, Humphrey RL.Laboratory Investigation. 1977 Mar; 36:274-81. PMID: 839739

Ligações externas[editar | editar código-fonte]