Solução

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes, inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, nos locais indicados.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2011). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Química A Wikipédia possui o:
Portal de Química

Em Química, solução é o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro (10 Angstrons). A solução ainda pode ser caracterizada por formar um sistema homogêneo (a olho nu e ao microscópio), por ser impossível separar o disperso do dispersante por processos físicos.

As soluções são compostas por moléculas ou íons comuns. Podem envolver sólidos, líquidos ou gases como dispersantes (chamados de solventes – existentes em maior quantidade na solução) e como dispersos (solutos). A solução também pode apresentar-se nesses três estados da matéria.

É importante destacar que soluções gasosas são formadas apenas por solvente e soluto gasosos.

Em farmácia, uma solução é uma forma farmacêutica líquida, caracterizada pela formação de um sistema onde todas as substâncias sólidas presentes na formulação devem estar totalmente dissolvidas em um veículo adequado. Portanto a solução deve ser líquida e transparente.

Classificação das soluções[editar | editar código-fonte]

  • Quanto ao estado físico: sólidas, líquidas ou gasosas
  • Quanto à condutividade elétrica: eletrolíticas ou não eletrolíticas
  • Quanto à proporção soluto/solvente: diluída, concentrada, não-saturada, saturada e supersaturada

Solução saturada, concentrada, diluída e supersaturada[editar | editar código-fonte]

Coeficiente de solubilidade é definido como a máxima quantidade de soluto que é possível dissolver de uma quantidade fixa de solvente, a determinadas temperatura e pressão.

A saturação é uma propriedade das soluções que indica a capacidade das mesmas em suportar quantidades crescentes de solutos, mantendo-se homogêneas. Uma solução é dita insaturada se ainda tem capacidade de diluir soluto, sem precipitar excessos. A solução saturada é aquela em que o soluto chegou à quantidade máxima: qualquer adição de soluto vai ser precipitada, não-dissolvida.[1]

Porém, em alguns casos especiais é possível manter uma solução com quantidade de soluto acima daquela que pode ser dissolvida em condições normais. Nesse caso fala-se em solução supersaturada, que é instável: com alterações físicas mínimas a quantidade extra de soluto pode ser precipitada.

Solução concentrada
Quando o soluto se encontra na quantidade máxima que o solvente pode dissolver.
Solução diluída ou insaturada (não saturada)
Quando a quantidade de soluto usado não atinge o limite de solubilidade, ou seja, a quantidade adicionada é inferior ao coeficiente de solubilidade.
Solução saturada
Quando o solvente (ou dispersante) já dissolveu toda a quantidade possível de soluto (ou disperso), e toda a quantidade agora adicionada não será dissolvida e ficará no fundo do recipiente.
Solução supersaturada
Acontece quando o solvente e soluto estão em uma temperatura em que seu coeficiente de solubilidade (solvente) é maior, e depois a solução é resfriada ou aquecida, de modo a reduzir o coeficiente de solubilidade. Quando isso é feito de modo cuidadoso, o soluto permanece dissolvido, mas a solução se torna extremamente instável. Qualquer vibração faz precipitar a quantidade de soluto em excesso dissolvida.

Denomina-se dissolução endotérmica aquela em que quanto maior a temperatura, maior o coeficiente de solubilidade do solvente (temperatura e solubilidade são diretamente proporcionais). Também há a dissolução exotérmica, que é o inverso da endotérmica, quanto menor a temperatura, maior o coeficiente de solubilidade do solvente (temperatura e solubilidade são inversamente proporcionais).

Solubilidade nos gases[editar | editar código-fonte]

Os gases apresentam propriedades particulares para a solubilidade. Quando aumenta-se a pressão, a solubilidade aumenta (Lei de Henry). O mesmo não acontece quanto à temperatura. Quando aumenta-se a temperatura, diminui a solubilidade. Assim, a solubilidade é diretamente proporcional à pressão e inversamente proporcional à temperatura. Vale lembrar que essas leis são válidas para qualquer gás, mas não para substâncias em outros estados físicos, como foi mostrado acima.

Solubilidade na farmacotécnica[editar | editar código-fonte]

+ Solubilidade na farmacotécnica (em partes de soluto para partes de solvente)
Descrição Solvente
Muito solúvel menos de uma parte
Facilmente solúvel 1 a 10 partes
Solúvel 10 a 30 partes
Pouco solúvel 30 a 100 partes
Levemente solúvel 100 a 1000 partes
Muito pouco solúvel 1000 a 10000 partes
Insolúvel + de 10000

Técnicas especiais de solubilização de fármacos[editar | editar código-fonte]

pH[editar | editar código-fonte]

Grande número de fármacos usados atualmente são ácidos ou bases fracas e as dificuldades para sua solubilização podem ser influenciadas pelo pH do meio. Essas equações baseadas na lei de ação das massas, da físico-química, podem prever a dissolução de ácidos ou bases, em função do pH, com uma precisão alta. Ao solucionar o pH, no entanto outros fatores devem ser considerados. O pH ideal da solução não deve ser mais importante que os requisitos de estabilidade e compatibilidade fisiológicos da formulação.

Quando houver necessidade de ajuste do pH, usar um alcalinizante ou acidificante, ou seja, fazer o tamponamento do sistema.

Escolha do tampão[editar | editar código-fonte]

A escolha do tampão adequado deve estar de acordo com os seguintes critérios:

  • deve ter a capacidade desejada na faixa de pH adequados.
  • deve ser atóxico
  • não deve interferir na estabilidade do produto
  • deve permitir sabor e coloração aceitáveis.

Cossolvente[editar | editar código-fonte]

Os eletrólitos fracos e as moléculas pouco polares apresentam normalmente pouca solubilidade em água. Essa pode ser aumentada pela adição de outro solvente que seja solúvel em água (etanol, sorbitol, propilenoglicol, PEG, etc.).

Solubilização[editar | editar código-fonte]

É a passagem de moléculas de um soluto, espontaneamente para uma solução contendo um tensoativo,detergente. O mecanismo resultante tem a ver com a possibilidade das moléculas do soluto serem solubilizadas ou adsorvidas em estruturas denominadas micelas, formadas após a adição gradativa e continuada do tensoativo no sistema.

Complexação[editar | editar código-fonte]

Compostos orgânicos em solução tendem a se unir formando complexos de maneira natural. A dissolução de determinado soluto pode ser adequadamente aumentada pela adição de um agente complexante. Com isto o soluto pode ser completamente dissolvido. No entanto deve ser analisado se o complexo resultante não irá afetar a eficácia e a segurança terapêutica.

Modificação química[editar | editar código-fonte]

Muitas formulações pouco solúveis em água podem ser modificadas quimicamente. Um exemplo é a betametasona, um corticosteróide, modificado quimicamente.

  • Betametasona - solubilidade 5,8 mg/100 mL a 25 °C
  • Éster-21 de Betametasona fosfato dissódico - solubilidade de 10 g/100 mL a 25 °C

Expressões de concentração[editar | editar código-fonte]

A quantidade de soluto dissolvida em uma quantidade de solvente nos dá um valor que chamamos de concentração da solução. A concentração de uma solução é tanto maior quanto mais soluto estiver dissolvido em uma mesma quantidade de solvente.

A concentração das soluções pode ser expressa de diversas formas. O que se entende simplesmente por concentração é a quantidade de soluto existente em relação ao volume da solução. Matematicamente,

     C=m/V; onde m é a massa de soluto e V o volume da solução.

A unidade usual para concentração é gramas por litro (g/L).

Há outros tipos de cálculo para a concentração em soluções, uma muito difundida refere-se à massa molar do soluto dissolvida num dado volume de solução:

    CM=n/V  onde n=m/M
    CM= concentração molar [mol/l]
    n=número de mols de soluto [mol]
    V= volume da solução [litro]
    M= massa molar do soluto [g/mol]

Quando duas soluções têm a mesma concentração, elas são chamadas isotônicas ou isosmóticas (iso= igual).

Quando a concentração é diferente, a mais concentrada é chamada hipertônica ou hiperosmótica (hiper=superior) e a menos concentrada é chamada hipotônica ou hiposmótica (hipo=inferior).

Outros possíveis significados de solução[editar | editar código-fonte]

  • Mistura de um soluto com um solvente
  • Uma fase líquida, gasosa ou sólida contendo dois ou mais componentes dispersos uniformemente na fase.
  • Mistura homogênea de duas ou mais substâncias

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências