Poncho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Poncho.

O poncho (do quíchua: punchu) e ponche (do tupi-guarani), é uma vestimenta tradicional da América do Sul. O gaúcho do meio rural usa-o para proteção do frio e do vento, por sobre a vestimenta usual, sendo feito em teares com de ovelha. Nas cidades ainda se pode vê-lo em dias frios como sobretudo. Ainda serve como cobertor improvisado. Na América andina é feito de lã de lhama, alpaca ou vicunha. Comercialmente, por vezes são feitos com fibras sintéticas.

Consiste basicamente em um tecido de aproximadamente 3,5 x 2,5 metros com uma abertura no centro, para ser passada pela cabeça e apoiado nos ombros. É imprescindível que seja quente, ou tenha pouca permeabilidade à água, conforme o uso a que se destina.

No Brasil, seu uso data desde pelo menos o período colonial, pois testamentos seiscentistas de sertanistas paulistas já documentam a existência do poncho, trazido das possessões castelhanas provavelmente durante o período da União Ibérica.[1] Foi vestimenta usada por diversos grupos, como bandeirantes, tropeiros e gaúchos. Seu uso era bastante comum nas províncias meridionais do Brasil até o final do século XIX, incluindo São Paulo[2] [3] , Rio Grande do Sul e partes de Minas Gerais e do Centro-Oeste, todas estas regiões tradicionalmente fornecedoras de condutores de mulas (tropeiros).

Outras acepções[editar | editar código-fonte]

Poncho[editar | editar código-fonte]

Em tecido pesado e espesso, usado em dias de frio intenso. É também um excelente abrigo para o vento e a chuva (quando impermabilizado). Possui abertura frontal e outras duas pequenas aberturas laterais, para os braços e as mãos.

Pelerine[editar | editar código-fonte]

Um gaúcho vestindo um poncho. No sul do Brasil essa vestimenta é chamada também de pala.

Agasalho de uso militar semelhante ao poncho, geralmente forrado internamente com seda colorida. Essa peça possui abertura frontal, mas não tem as aberturas laterais do poncho, e a abertura geralmente é ornamentada com alamares. Ela é confeccionada com tecido caros e usada com fardamentos de gala. Em alguns regulamentos brasileiros de uniformes essa peça é também definida como capa ideal.

Pala[editar | editar código-fonte]

Basicamente com o mesmo formato, mas sem a abertura frontal e em tecido mais leve, na maioria das vezes em lã ou seda. Proporciona abrigo na meia estação (período intermediário, antes e depois do inverno) e é também bastante usado em festividades tradicionalistas.

Capa poncho[editar | editar código-fonte]

É uma capa de chuva. Nas forças armadas brasileiras a capa poncho é uma peça em material sintético, impermeável, para abrigar o militar da chuva. Ela tem formato retângular, com uma abertura central para a passagem da cabeça, e pode ser unida a outras capas para formar uma barraca improvisada.

No ciclismo também existe um abrigo assemelhado.

Referências

  1. HOLANDA, Sérgio Buarque de. Clima e roupa. In: "Caminhos e Fronteiras", 1994. pp. 228.
  2. Pablo Pereira (25/03/2010). Poncho, um costume paulista (2).
  3. "Nenhuma dificuldade há em distinguir os habitantes da cidade de São Paulo dos das localidades vizinhas. Estes últimos, quando percorrem a cidade, usam calças de tecido de algodão e um grande chapéu cinzento, sempre envolvidos no indispensável poncho, por mais forte que seja o calor. Denotam seus traços alguns dos caracteres da raça americana; seu andar é pesado, e têm um ar simplório e acanhado. Pelos mesmos têm os habitantes da cidade pouquíssima consideração, designando-os pela alcunha injuriosa de caipiras, palavra derivada provavelmente do termo corupira, pelo qual os antigos habitantes do país designavam demônios malfazejos existentes nas florestas."Saint-Hilaire, Auguste. Viagem à província de São Paulo e resumo das viagens ao Brasil, Província Cisplatina e Missões do Paraguai. São Paulo: Livraria Martins. p. 189.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Poncho