Ponte da Ajuda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ponte da Ajuda
Ponte da Ajuda
Data de abertura 1510
Data de encerramento 1709
Comprimento total 380 m
Largura 5,5 m
Geografia
Cruza Rio Guadiana
Localização Elvas (Portugal) e Olivença (Espanha)
Ponte da Ajuda: vista para a margem de Elvas.
Ponte da Ajuda: vista longitudinal a partir da margem de Elvas.

A Ponte de Nossa Senhora da Ajuda, também referida como Ponte da Ajuda e como Ponte de Olivença, no Alentejo, localiza-se sobre o rio Guadiana, na freguesia de Ajuda, Salvador e Santo Ildefonso, vila e concelho de Elvas, distrito de Portalegre, em Portugal. Atualmente em ruínas, ligava a localidade portuguesa de Elvas e de Olivença (Espanha), o que até [[1801]] foi portuguesa.

História[editar | editar código-fonte]

Foi mandada erguer por Manuel I de Portugal com a função de assegurar a operação das forças militares portuguesas na margem esquerda do rio Guadiana, em apoio ao Castelo de Olivença, em 19 de dezembro de 1510,[1] no chamado local de Nossa Senhora da Ajuda.[2]

Em 1597, alguns dos arcos centrais desabaram, em consequência de fortes cheias que aumentaram significativamente o caudal do rio Guadiana.[2] Mais tarde, em 1641, após vários Invernos rigorosos causando danos à ponte, esta foi reparada por ordem do general D. João da Costa, que mandou substituir dois dos arcos deficientes por pontes levadiças.[2]

Foi parcialmente destruída pelo exército castelhano durante a Guerra da Restauração, em setembro de 1646, tendo sido reparada após o fim da guerra.[1]

Mais tarde, em 1709, no contexto da Guerra da Sucessão Espanhola, o exército castelhano fez explodir a ponte, destruindo-a mais uma vez parcialmente. A partir dessa altura, a ligação entre Elvas e Olivença passou a ter que ser realizada através de terras espanholas. A ponte permanece em ruínas desde essa data até hoje, não tendo sofrido qualquer restauro.[3]

Em 1967, a ponte foi declarada como monumento de interesse nacional, pelo estado português.[4]

Na cimeira luso-espanhola de 1994, o governo português recusou um empreendimento transfronteiriço de construção de uma nova ponte sobre o rio Guadiana, perto da ponte da Ajuda, chamando a si todos os encargos e responsabilidades de construção dessa futura ponte, evitando assim quaisquer formas de reconhecimento tácito de um traçado de fronteira sobre a linha do Guadiana e qualquer cedência do território de Olivença e correspondente património.[5] Em 2000, foi inaugurada uma nova ponte, a curta distância a jusante da antiga, construída e financiada pelo governo português.

Características[editar | editar código-fonte]

Com trezentos e oitenta metros de comprimento por cinco metros e meio de largura, apoiava-se em dezenove arcos, defendida por um sólido torreão em seu centro, torreão este dividido internamente em três pavimentos, com aposentos dotados de janelas. O torreão foi assente em penedos de grande dimensão, que ainda hoje podem ser observados.[2]

Referências

  1. a b http://guerradarestauracao.wordpress.com/2008/03/22/palcos-de-operacoes-1-a-ponte-de-n%c2%aa-sr%c2%aa-da-ajuda-ou-de-olivenca/
  2. a b c d Rio Guadiana: as cheias, as secas e o terramoto de 1755 nos termos de Juromenha e Olivença 1200-1800, João Mimoso Loureiro (http://www.ame-web.org/JORNADAS/mimoso.pdf)
  3. Título ainda não informado (favor adicionar).
  4. História e declínio de três povoações na fronteira, Carlos Eduardo da Cruz Luna (http://www.dip-badajoz.es/publicaciones/reex/rcex_2_2006/estudios_15_rcex_2_2006.pdf)
  5. Diário da República de 21 de Novembro de 2003 (http://dre.pt/pdfgratisac/2002/32600.pdf)

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]