Pra não Dizer que não Falei das Flores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

"Pra não dizer que não falei das flores" (também conhecida como "Caminhando") é uma canção escrita e interpretada por Geraldo Vandré. Ficou em segundo lugar no Festival Internacional da Canção de 1968[1] . Teve sua execução proibida durante anos, após tornar-se um hino de resistência do movimento civil e estudantil que fazia oposição à ditadura militar brasileira, e ser censurada.[2]

A classificação da música em segundo lugar, sendo a favorita disparado do público, rendeu episódios de fúria popular contra os jurados, xingados e com seus carros danificados à saída do evento. A atriz Bibi Ferreira, uma das juradas que tiveram seu carro atacado, deu a maior nota da noite à canção e saiu do estádio do Maracanãzinho decepcionada com o resultado. Ziraldo, por exemplo, outro dos jurados, deu nota 10 para "Caminhando" e 5 para as outras músicas, inclusive a vencedora. Apenas em 1991, Walter Clark, diretor-geral da Rede Globo de Televisão na época, a organizadora e transmissora do festival, revelou em sua autobiografia que a direção da emissora recebeu ordens do comando do I Exército para que nem "Caminhando" nem "América, América", de César Roldão Vieira, extremamente críticas ao governo, vencessem o festival. Boni, o segundo em comando da rede, anos depois declarou que o júri tinha sido soberano e não sofrera nenhuma pressão, desconhecendo o fato narrado por Walter Clark. O festival foi vencido por Sabiá de Chico Buarque de Hollanda e Tom Jobim. Anos mais tarde, Boni confessou que "ver Tom e Chico sendo vaiados era doloroso e Vandré ter perdido dava uma sensação de vazio".[3]

Informação[editar | editar código-fonte]

A melodia da canção tem o ritmo de um hino, e sua letra possui versos de rima fácil (quase todos terminados em ão), que facilitam memorizá-la, logo era cantada nas ruas.

Cquote1.svg "Em seus versos, Vandré cita a luta armada e a imobilidade das pessoas que defendiam a diplomacia, critica os movimentos que pregavam "paz e amor", mostrando que de nada adiantava "falar de flores" àqueles que atacam com armas".[1] Cquote2.svg
Artigo "O contexto e o intertexto na música Pra não dizer que não falei das flores, de Geraldo Vandré"

O sucesso da canção, que incitava o povo à resistência, levou os militares a proibí-la, usando como pretexto a "ofensa" à instituição contida nos versos "Há soldados armados, amados ou não / Quase todos perdidos de armas na mão / Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição / de morrer pela pátria e viver sem razão".

A primeira cantora a interpretar "Caminhando" após o período em que a canção esteve censurada foi Simone, em 1979,[4] conquistando enorme sucesso de crítica e público. A canção também foi regravada por Luiz Gonzaga[5] , Ana Belén, Zé Ramalho e Charlie Brown Jr.

Referências

  1. a b uefs.br/ Artigo "O contexto e o intertexto na música Pra não dizer que não falei das flores, de Geraldo Vandré", por Adriana Alves Santana; Joseane de Jesus Pereira Araujo; Laila Kelly Almeida Jesus; e Telma de Oliveira Santana. Publicado na Revista Graduando nº2, de jan./jun. 2011 (ISSN 2236-3335)
  2. uol.com.br/
  3. Nuzzi, Vitor. Uma noite em 1968 RedeBrasil Atual. Página visitada em 24/04/2014.
  4. Simone Clique music. Cliquemusic.uol.com.br.
  5. Luiz Gonzaga Pra não Dizer que não Falei das Flores. Luizluagonzaga.com.br.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]