Ré maior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ré maior
Ré maior
D Major key signature.png
Tonalidade
Relativa Si menor
Homónima Ré menor
Notas
Ré, Mi, Fá♯, Sol, Lá, Si, Dó♯, Ré

Ré maior (abreviada no sistema europeu como Ré M, e como D no sistema norte-americano) é a tonalidade em que consiste a escala maior de , e contém as notas , mi, fá sustenido, sol, , si, dó sustenido e . Sua armadura contém, pois, dois sustenidos. Sua tonalidade relativa é si menor e sua tonalidade homônima é ré menor.

Uso[editar | editar código-fonte]

Esta tonalidade é bastante adequada à música de violino devido à estrutura do instrumento, que está afinado Sol, Ré, Lá e Mi. As cordas ressoam por simpatia com a corda , produzindo um som brilhante. Por isso, muitos compositores clássicos escolheram escrever suas obras sob tal tonalidade, incluindo Mozart (Concerto para violino n.º 2), Ludwig van Beethoven (Concerto para violino), além de Johannes Brahms e Sergei Prokofiev.

Também, é ideal para músicas de guitarra, ao afinar o Mi bordão um tom mais grave, tendo dois Rés como cordas de ar. Domenico Scarlatti imitava os sons da guitarra em suas sonatas para o teclado, e isto, talvez, seja a razão de mais de 70 de suas 555 sonatas estarem em Ré maior.

Composições clássicas em ré maior[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.