Ré menor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Ré menor
Ré menor
F Major key signature.png
Tonalidade
Relativa Fá maior
Homónima Ré maior
Notas
Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si♭, Dó, Ré

Ré menor (abreviada no sistema europeu como Ré m, e como Dm no sistema norte-americano) é a tonalidade em que consiste a escala menor de , e contém as notas , mi, , sol, , si bemol, e . Sua armadura contém, pois, um bemol. Sua tonalidade relativa é fá maior e sua tonalidade homônima é ré maior.

Uso[editar | editar código-fonte]

Como todas as tonalidades menores, a sensação principal é mais escura que a que correspondente à tonalidade maior. Desde a Antiguidade, esta tonalidade é reconhecida como a tonalidade da tristeza e pesar.

Há quem a considere como a tonalidade com mais bemóis que é prática para tocar em guitarra. Das 555 sonatas para teclado de Domenico Scarlatti, que recolhem muitos dos maneirismos da música para guitarra, 151 estão em tonalidades menores, e Ré menor é a tonalidade mais escolhida (32 sonatas).

Toda a Arte da Fuga de Johann Sebastian Bach está em Ré menor, e também o está a Oferta Musical de P. D. Q. Bach (Peter Schikele). De acordo com Alfred Einstein, a história da afinação levou Ré menor a estar associada ao contraponto e ao cromatismo (por exemplo, a quarta cromática), e cita a respeito a cromática Fuga em Ré menor de Mozart. Também o Requiem de Mozart está em Ré menor. Dos dois concertos para piano que Mozart escreveu em tom menor, um deles está em Ré menor, o Concerto para piano n.º 20 K.466.

Michael Haydn escreveu só uma sinfonia em menor (em Ré menor), Perger 20, MH 393.

Dado que ré menor é a tonalidade da Sinfonia n.º 9 de Ludwig van Beethoven, Bruckner sentiu-se ansioso ao escrever a sua própria Sinfonia n.º 9 na mesma tonalidade.

Obras do período clássico e posteriores começam tipicamente em tom menor e terminam em maior, ou pelo menos num acorde maior (terceira picarda), mas há alguns notáveis exemplos de obras em Ré menor que terminam em tonalidades com mais sustenidos. Duas sinfonias que começam em Ré menor e terminam em Mi maior são a Sinfonia "Gótica" de Havergal Brian e a Sinfonia n.º 4 (A Inextinguível) de Nielsen. A Nona Sinfonia de Bruckner, que ficou por terminar e é interpretada sim o final, é outro exemplo de sinfonia que começa em Ré menor e termina em Mi maior. A Sinfonia Dante de Liszt começa em Ré menor e termina em Si maior.

De acordo com Nigel Tufnel, um personagem do filme This is Spinal Tap, Ré menor é a mais triste de todas as tonalidades. Jack White, dos White Stripes comentou no seu cover "Jolene" de Dolly Parton que Ré menor tinha um voz baixa maligna e triste.

Composições clássicas em ré menor[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.