Renato Barros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde novembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.

Renato Cosme Vieira de Barros [Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]], 27 de setembro de 1943), conhecido por Renato Barros, é um músico brasileiro.

É vocalista e fundador do grupo musical Renato e Seus Blue Caps.

Nos anos 60 ele aterrorizou a MPB com a sua guitarra elétrica distorcida. A sua adaptação das sonoridades beat, merseybeat e beatles foi genial, afirmando uma sonoridade particular, que contribuiu decisivamente para construir a versão brasileira da beatlemania e do Rock brasileiro. Fernando Rosa escreveu no livro A História Secreta do Rock Brasileiro. “A guitarra de Renato Barros teve um papel fundamental no desenvolvimento do rock brasileiro”, Da mesma forma que a Tropicália não seria a mesma sem a guitarra de Lanny Gordin, o Rock no Brasil não teria afirmado a sua particular sonoridade sem a guitarra de Renato Barros. Os álbuns “Isto é Renato e Seus Blue Caps” e, especialmente, “Um Embalo com Renato e Seus Blue Caps”, são exemplares dessa sonoridade que marcou a música jovem brasileira dos anos sessenta. Renato Barros foi além dos limites da comportada guitarra iê-iê-iê, criou uma sonoridade fuzz inconfundível, como uma espécie de Link Wray da Jovem Guarda, ele deixou as marcas do FUZZ da sua guitarra, da sua agressividade e da sua genialidade em músicas como, “Sim, Sou Feliz” (com a sua banda), “Coração de Pedra” (com Os Jovens) ou na clássica Você Não Serve Pra Mim (dele, com Roberto Carlos). Junto com Roberto Carlos, a guitarra de Renato Barros cruzou as fronteiras latinas. Ele também era o guitarrista mais requisitado para acompanhar os grandes artistas da época, as vêzes, sozinho; as vêzes, com o seu irmão Paulo Cézar Barros no Baixo, e as vêzes, com a sua banda, os Blue Caps. Sua guitarra pode ser ouvida nos principais discos de Roberto Carlos (do splish splash até o inimitavel ). Algumas mais singelas, mas, não menos impactante, como no disco O inimitável de Roberto Carlos ”eu te amo eu te amo eu te amo”, “nem mesmo você” e em tantas outras. A Jovem Guarda produziu grandes guitarristas, como Gatto (dos Jet Blacks), Risonho (dos Incríveis) ou, ainda, outros menos conhecidos, como Bogô (dos Beatniks, que acompanhava Roberto Carlos nos programas da TV Record). Mas, entre todos, destaca-se a figura de Renato Barros. Assim, podemos afirmar com a total convicção:

Renato Barros é o verdadeiro pai do rock brasileiro.