Russula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaRussula
Russula emetica2.jpg

Classificação científica
Reino: Fungi
Subreino: Dikarya
Filo: Basidiomycota
Subfilo: Agaricomycotina
Classe: Agaricomycetes
Ordem: Russulales
Família: Russulaceae
Género: Russula
Pers. 1797

Há em torno de 750 espécies de fungos que compõem o gênero Russula. Eles são tipicamente comuns, razoavelmente grandes, e de cor brilhosa - fazendo-os um dos gêneros mais identificáveis pelos micologistas e colecionadores de cogumelos. Suas distintas características incluem uma esporada branca à amarela escura, frágil lamela de cor branca, e a ausência dos tecidos do véu parcial ou véu universal no estipe. Membros do gênero aparentado Lactarius têm características similares mas emitem um emitem um látex leitoso quando suas lamelas são rompidas. O gênero foi descrito por Christian Hendrik Persoon em 1796.

Russula significa avermelhado.

Identificação[editar | editar código-fonte]

Como o gênero Lactarius, Russulas têm uma distintiva consistência da carne, a qual reflete na aparência das lamelas e do estipe, e normalmente os fazem imediatamente identificáveis. Eles não possuem traços do véu no chapéu. As lamelas são frágeis exceto em alguns casos, e não podem ser dobradas paralelamente com o chapéu sem serem rompidas. O pó do espóro varia do branco ao creme, ou mesmo laranja.

Enquanto é relativamente fácil para identificar um espécime pertencente desse gênero, é um desafio significante distinguir as espécies do gênero Russula. Essa tarefa normalmente requer características microscópicas, e sutis distinções subjetivas, como diferença entre sabores suave a amargo e um suave a picante. Além disso as exatas relações filogenéticas desses cogumelos ainda tem de serem resolvidas pela comunidade micológica profissional, e pode em última análise depender da análise do sequenciamento de DNA.

Russula emetica

As seguintes características são frequentemente importantes na identificação das espécies individuais:

  • a cor exata do pó do espóro (brance/creme/ocre),
  • o sabor (suave/amargo/picante),
  • mudanças de cor na carne,
  • a distância do centro até aonde o revestimento do chapéu pode ser puxada para fora,
  • cor do chapéu (embora a cor possa ser variável na mesma espécie),
  • reação da carne para sulfato de ferro (FeSO4), formalina, àcalis, e outros compostos,
  • ornamentação dos espóros, e
  • outras características microscópicas, como a aparência da cystidia em várias misturas de reagentes.

Apesar da dificuldade em identificar precisamente os espécimes coletados, a possibilidade de reconhecer as espécies tóxicas pelo sabor picante faz algumas espécies suaves, como o R. cyanoxantha e R. vesca, cogumelos comestíveis populares. Até aonde sabe-se, nenhuma espécie de Russula é letalmente venenosa e os de sabor suave são todos comestíveis.[1] Note que essa regra aplica-se apenas para Russula e não para outros gêneros de cogumelos.

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

O principal padrão de toxicidade visto entre espécies de Russula tem sido sintomas gastrointestinais naqueles com um sabor amargo quando comidos crus ou mal cozidos, muitos desses são espécies de chapéu vermelho como R. emetica, R. sardonia e R. nobilis. Porém, rabdomiólise foi diagnosticada após o consumo de R. subnigricans em Taiwan. Vários agentes ativos foram isolados; um designado russuphelin A por pesquisadores no Japão.[2]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Veja "Russulales News", na página "Edibility and toxicity of Russulales", Seção "5.1.2. Edible Russulae".
  2. Takahashi A, Agatsuma T, Matsuda M, Ohta T, Nunozawa T, Endo T, Nozoe S. (1992). "Russuphelin A, a new cytotoxic substance from the mushroom Russula subnigricans Hongo.". Chem Pharm Bull (Tokyo). 40 (12): 3185–88. PMID 1294320 (abstract).
  • Arora, D. (1986). Mushrooms demystified: A comprehensive guide to the fleshy fungi, Berkeley: Ten Speed Press. pp. 83–103.
  • Kibby, G. & Fatto, R. (1990). Keys to the species of Russula in northeastern North America, Somerville, NJ: Kibby-Fatto Enterprises. 70 pp.
  • Weber, N. S. & Smith, A. H. (1985). A field guide to southern mushrooms, Ann Arbor: U Michigan P. 280 pp.
  • Moser, M. (1978) Basidiomycetes II: Röhrlinge und Blätterpilze, Gustav Fischer Verlag Stuttgart. English edition: Keys to Agarics and Boleti... published by Roger Phillips, London.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • Russulales News [1]
  • Gênero Russula no Mushroom Expert.com [2]
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Russula
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Russula