Rutilo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Rutilo
Classificação Strunz IV/D.02-10
Cor rosso brunastro, nero
Fórmula química TiO2
Propriedades cristalográficas
Sistema cristalino tetragonale
Parâmetros da célula a = 4,49, c = 2,96
Grupo espacial P 4/mnm
Propriedades físicas
Densidade 4,18 - 4,25
Dureza 6 - 6,5
Clivagem distinta secondo {110}
Fratura Concoide
Brilho adamantina o submetallica
Opacidade traslucido o trasparente
Pendente de quartzo sagenítico, podendo observar-se os cristais aciculares de rutilo dispersos no interior do quartzo.

O rutilo ou rútilo é um mineral composto de dióxido de titânio , TiO2, sendo um dos três polimorfos de TiO2:

Propriedades físicas[editar | editar código-fonte]

O rutilo tem uma fratura subconcoidal, é fragil , com dureza 6 a 6,5 , densidade relativa 4,1 a 4,2 , brilho metálico a adamantino, geralmente de cor marrom ou vermelho, algumas vezes, amarelo, azul ou violeta. É transparente a opaco. O rutilo natural é geralmente opaco ou vermelho muito escuro. O rutilo pode pode conter até 10% de ferro. O rutilo é a forma mais estável de dióxido de titânio e é produzido em temperaturas mais altas, com a brookita formando-se em temparaturas mais baixas e, a octaedrita, em temperaturas ainda mais baixas.

Tipos de ocorrência[editar | editar código-fonte]

Tufo de rutilo acicular encravado em quartzo (originário do Brasil, actualmente no Museu de História Natural de Londres)

O rutilo é encontrado como mineral acessório em algumas rochas igneas alteradas, e em certos gnaisses e xistos cristalinos. Nos grupos de cristais aciculares é frequentemente encontrado incrustrado no quartzo como no "fléches d'amour" de Grisons, Suíça. Pequenas agulhas de rutilo encontrado em algumas gemas são responsáveis pelo fenômeno ópticos denominado asterismo, que aparece em safiras, rubis e outras pedras preciosas.

Rutilo sintético[editar | editar código-fonte]

O rutilo sintético foi produzido pela primeira vez em 1948 sendo comercializado sob vários nomes. Tem uma elevada dispersão óptica e um elevado índice de refração a luz, tão forte que demonstra ser falso, porém muito colorido. O rutilo sintético pode ser produzido em várias cores, porém nunca como branco transparente puro, sendo sempre levemente amarelo.

Usos e aplicações[editar | editar código-fonte]

Quando finamente moído o rutilo é usado como um brilhante pigmento branco , utilizado em tintas, plásticos, papel, alimentos e outras aplicações que requerem uma cor branca brilhante. Os pigmentos de dióxido de titânio são a principal aplicação do titânio a nível mundial, pois não é, para já, economicamente viável a produção de titânio metal a partir do rutilo. Nanopartículas de rutilo são transparentes para a luz visível mas altamente reflectoras de luz ultravioleta sendo por isso usadas no fabrico de protectores solares. Uma variedade sintética praticamente incolor, designada por titania, é comercializada como substituto de diamante.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome rutilo é derivado do latim rutilus, vermelho, em referência a cor vermelha profunda encontrada em alguns espécimes quando vistos sob a luz.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rútilo