São Bonifácio e Santo Aleixo (título cardinalício)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{Sem-fontes|{{subst:DATA}}}}.
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


São Bonifácio e Santo Aleixo
Coat of arms of Franciscus.svg        Brasão de Eusébio Oscar Scheid, S.C.I.
Título presbiterial
São Bonifácio e Santo Aleixo
Fachada da Igreja de Santo Aleixo em Roma
Titular: Eusébio Oscar Scheid, S.C.I.
criado: 13 de abril de 1587
pelo Papa São Sisto V
Dados do Anuário Pontifício

O Título Cardinalício de São Bonifácio e Santo Aleixo foi instituido pelo Papa São Sisto V em 13 de abril de 1587. Inicialmente a sede titular era dedicada somente a Santo Aleixo, somente a partir do século XIX foi incluído São Bonifácio; já que a igreja romana era também dedicada ao santo que sofreu o martírio no ano de 986.

A chamada Basílica dos Santos Bonifácio e Aleixo se encontra no Bairro de Aventino em Roma e é zelada pelos monges de São Jerônimo.

Esta sede cardinalícia que se encontra na segunda ordem no Colégio Cardinalício, a ordem presbiteral, desde 1905 é dada a um cardeal brasileiro, sendo o primeiro o Cardeal Arcoverde, primeiro cardeal latino americano.

Sede[editar | editar código-fonte]

Dedicada nos séculos III e IV a São Bonifácio, mártir, o templo tornou-se diaconia no século VIII, e foi dedicada depois também a Santo Aleixo, e assim é conhecida até hoje. A estrutura medieval remonta ao tempo do Papa Honório III (1216-1227) e foi alterada com os trabalhos ordenados pelo Cardeal Querini, em 1750.

Outras restaurações foram promovidas pelos Somaschi, presentes desde 1846. Notáveis são as torres, a cripta (século XIII) e as obras cosmatescas: portal, pavimento e coluninhas do coro. No transepto (lado direito) está o ícone bizantino da Virgem, de 1200.

Titulares protetores[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]