Sameach

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Israel "Sameach"ou "Sameyach"
Festival Eurovisão da Canção 2000
Artista(s) Ahal Eden
Roy 'Chicky' Arad
Guy Asif
Ifat 'Fijoya' Giladi
Compositor(s) Guy Asif
Roy Arad
Letrista(s) Guy Asif
Roy Arad
Resultado da Final 22º
Pontos da Final 7
Actuações Cronológicas
◄ Diva (1999)   
En Davar (2001) ►

"Sameach" (alfabeto hebraico: שמייח em português: "Ser Feliz" foi a canção que representou Israel no Festival Eurovisão da Canção 2000 que teve lugar em Estocolmo, em 13 de maio daquele ano.

A canção foi interpretada em hebraico (se be que o refrão tivesse sido cantado em inglês : "Be happy"). Foi a primeira canção a ser interpretada na noite do festival, antes da canção dos Países Baixos "No Goodbyes", interpretada por Linda. Terminou o evento em 22.º lugar (entre 24 participantes), tendo recebido 7 pontos. No ano seguinte, Israel foi representado por Tal Sondak que interpretou a canção "En Davar".

Autores[editar | editar código-fonte]

AUTORES
Letrista: Guy Asif, Roy Arad
Compositor: Guy Asif, Roy Arad

Letra[editar | editar código-fonte]

A canção descreve uma mulher israelense em um kibbutz , que parece estar deprimido, ter um tórrido romance com um homem de Damasco (capital da Síria), que aparece no vídeo em um toucado tradicional, ou keffiyeh . Faz referências às guerras e desastres naturais como cheias, e quando a referência para o pepino é feito, os cantores cantam para os pepinos (de cariz evidentemente sexual). Ele também usou a linha sugestivo "Eu quero fazer com ele o dia todo".

Interpretação polémica[editar | editar código-fonte]

O desejo de a banda quer utilizar pequenas bandeiras da Síria gerou muita polémica em [Israel]], grupo decidiu içar as ditas bandeiras e ainda por cima decidiu trocar o título do refrão em hebraico pelo título em inglês ("Be Happy"). Como o grupo pretendia içar as bandeiras da Síria (um país inimigo de Israel, por causa da questão palestiniana e ainda por causa dos Montes Golã, surgiram muitas críticas, e a Israeli Broadcasting Authority disse que a banda não iria representar o país, mas sim a eles próprios e que eles deveriam pagar os custos das viagens. Os membros da banda mantiveram o uso das bandeiras na performence da Síria, porque segundo eles, a canção tinha um mensagem de paz entre [Israel]] e os países árabes.

O mais irónico, é que apesar de tantas críticas nos jornais, na Internet e da falta de apoio da televisão de Israel, o fa(c)to é que a canção foi um sucesso em Israel, conseguindo chegar ao top de Isreal.


Referências[editar | editar código-fonte]

  • Kennedy O'Connor, John. The Eurovision Song Contest: The Official History. [S.l.: s.n.], 2005.
  • from the Diggiloo Thrush

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Música