Svalbard Global Seed Vault

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.


O Svalbard Global Seed Vault ou Silo Global de Sementes de Svalbard ou da Esvalbarda (Cordenadas = 78°13'45.32"N 15°23'43.24"L) também conhecido como Svalbard International Seed Vault ou Silo Internacional de Sementes da Esvalbarda (em língua norueguesa: Svalbard globale frøhvelv) é o maior silo para sementes do mundo, e está sendo construído próximo à vila de Longyearbyen (população: 1900 hab.)[1] , no remoto arquipélago Ártico de Svalbard, a apenas cerca de 1120 km ao sul do pólo norte.

O Silo Global de Sementes de Svalbard tem como objetivo salvaguardar a biodiversidade das espécies de cultivos que sirvam como alimento para as populações do mundo e seus países. O Silo de Svalbard preservará cerca 90% das sementes conhecidas existentes no mundo, doadas pelos países produtores.

O Silo será gerenciado sob os termos definidos em um acordo tripartite entre o governo Norueguês, o Fundo para a Diversidade Global de Cultivos (Global Crop Diversity Trust) e o Banco de Genes Norueguês (Nordic Gene Bank). O Banco de Genes Norueguês é um esforço de cooperação entre todos os países nórdicos, sob a supervisão do Conselho Nórdico de Ministros (Nordic Council of Ministers). A fundação Bill & Melinda Gates, através de um projeto em parceria com a ONU, financiou o custo de construção do Silo, estimado em cerca de 30 milhões de dólares. O Fundo para a Diversidade Global de Cultivos desempenhou uma função fundamental no planejamento do Silo de Svalbard e na coordenação do envio das amostras de sementes para o Silo, em parceria com o Banco de Genes Norueguês. O Fundo garantirá a maior parte dos custos operacionais para as instalações, tendo já separado os recursos para tal, ao mesmo tempo em que o Governo Norueguês arcará com os custos de manutenção da estrutura em si. A Fundação Gates desembolsou aproximadamente 750 mil dólares para auxiliar a países em desenvolvimento e centros de pesquisa no empacotamento e envio das sementes. Um Conselho Consultivo Internacional está sendo estabelecido para garantir a supervisão do Silo e oferecer aconselhamento. Este Conselho incluirá representantes da FAO, da CGIAR, do International Treaty on Plant Genetic Resources, e de outras instituições.

Construção[editar | editar código-fonte]

O silo foi construído no Monte Spitsein, em Svalbard, e é uma estrutura inteiramente subterrânea. O arquipélago de Svalbard situa-se a 1.000 km ao norte da Noruega continental, e foi escolhido por ser um lugar a salvo das possíveis alterações climáticas causadas pelo aquecimento global e/ou quaisquer outras causas.

Em 19 de Junho de 2006 os primeiro-ministros da Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca e Islândia participaram em uma cerimônia de inicio das construções, "colocando a primeira pedra". As obras estão previstas para durar sete meses, inaugurando-se a construção entre fevereiro e maio de 2008[carece de fontes?].

O silo tem capacidade para abrigar três milhões de sementes. O restante será preservado através de coleções de plantas vivas ou em laboratório. As câmaras estarão à -18 °C, e se por alguma razão o sistema elétrico de refrigeração falhar, o montante de gelo e neve que naturalmente recobre o silo–o permafrost–manterá as sementes entre -4 e -6 °C.

Referências

  1. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Charles2006

Ligações externas[editar | editar código-fonte]