Templo Hindu de Preah Vihear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Templo Hindu de Preah Vihear *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Phoukrisharjuna.jpg
Dintel mostrando Shiva lutando com Arjuna
País Camboja
Critérios C(i)
Referência 1224
Coordenadas 14° 23′ N 104° 40′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 2008  (32ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

O Templo Preah Vihear (cambojano:ប្រាសាទព្រះវិហារ) é um templo hindu do século XI que está situado nos Montes Dângrêk, junto da fronteira Camboja-Tailândia. Tem sido objeto de uma das sentenças mais importantes do Tribunal Internacional de Justiça de A Haia.

O TIJ, que decidiu por 9 votos contra 3 que o templo pertencia ao Camboja, sob um precedente importante referido aos atos unilaterais dos Estados, no que configura um claro exemplo da figura jurídica inglesa Estoppel by representation. Quando a Tailândia (então denominada Sião) manifestou a França que havia recebido as cartas geofísicas, criou no Camboja o sentimento de reconhecimento do Templo de Preah Vihear como cambojano, pois assim era determinado nas cartas francesas.

Em 7 de julho de 2008 foi declarado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, coincidindo com a XXXII reunião anual do Comitê de Patrimônio Mundial na cidade de Quebec. Este provocou a demissão do ministro de Assuntos Exteriores tailandês, Noppadon Patttama por conhecer-se que firmou uma petição das autoridades cambojanas para a UNESCO para declarar o templo Patrimônio da Humanidade.

No momento presente, o território onde está localizado o templo continua a ser objeto de um conflito de soberania entre ambos países, até o ponto de que em julho de 2008, Camboja e Tailândia mobilizando centenas de soldados de ambos lados do local fronteiriço mais próximo ao templo. Em 15 de outubro de 2008 se produziu um confronto militar entre esses exércitos.

Em fevereiro de 2011 os exércitos da Tailândia e Camboja firmam um cessar-fogo após cinco pessoas morrerem em um conflito entre os dos dois países pela posse do templo.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências