Templo grego

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O templo grego é uma das tipologias de maior relevo na arquitetura da Grécia Antiga. Tem origem no "mégaro", um espaço existente nos anteriores palácios micénicos, exercendo uma forte influência na posterior arquitetura da Roma Antiga e no seu respectivo templo romano.

Áreas do templo[editar | editar código-fonte]

  • Pronaos: esta é a antecâmara que antecede o naos e que se transformará, mais tarde, no nártex.
  • Naos ou Cella: neste espaço, delimitado por 4 paredes sem janelas, é colocada a estátua da divindade e pode ser, por vezes, organizado em 3 alas divididas por colunas. Em templos de grandes dimensões o naos pode funcionar como um pátio interior, sem cobertura.
  • Aditon ou Abaton: espaço só acessível a sacerdotes para o culto ou colocação de oferendas. Esta área pode funcionar de diferentes maneiras; como uma sub-divisão do naos, aberta para ele; como uma câmara isolada no centro do naos; ou como um nicho na parede posterior do naos.
  • Opistódomo: Câmara oposta ao pronaos onde se encontra o tesouro e que também pode funcionar, por vezes, como aditon.

Estas áreas estão envolvidas, na parte externa pelas colunas do peristilo.

Tipos de templos[editar | editar código-fonte]

Segundo número de colunas na fachada[editar | editar código-fonte]

  • Tetrástilo: 4 colunas na fachada
  • Pentástilo: 5 colunas na fachada
  • Hexástilo: 6 colunas na fachada
  • Octástilo ou octóstilo: 8 colunas na fachada
  • Decástilo: 10 colunas na fachada
  • Dodecástilo:12 colunas na fachada

Segundo número de filas de colunas[editar | editar código-fonte]

  • Monóptero: 1 fila de colunas. Também designa os templos de planta circular rodeados por 1 fila de colunas e remate a cúpula. Um monóptero com naos designa-se tolo.
  • Díptero: 2 filas de colunas
  • Pseudodíptero: similar ao díptero, mas em que as 2 filas de colunas não envolvem todo o templo (p. ex. a fila de colunas interior está embebida nas paredes do naos)

Segundo a distribuição de colunas[editar | editar código-fonte]

  • Períptero: o templo é completamente rodeado de colunas.
  • Pseudoperíptero: quando uma fila ou mais de colunas está embebida nas paredes do naos.
  • Prostilo: o templo só tem colunas na fachada.
  • Anfiprostilo: o templo apresenta colunas nas fachadas principal e posterior.

Segundo espacejamento entre colunas/intercolúnio[editar | editar código-fonte]

  • Picnóstilo:Espaço reduzido entre colunas de 3 módulos.
  • Sistilo: Espaço entre colunas de 6 módulos.
  • Diástilo: Espaço entre colunas de 6 módulos ou a medida de um diâmetro da coluna multiplicado por 3.

Aqui um módulo é o raio da base do fuste da coluna.

Segundo ordens arquitectónicas[editar | editar código-fonte]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

A maioria dos templos gregos clássicos eram hexástilos (fachada com seis colunas). Alguns exemplos conhecidos são:

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Templo grego

Fontes[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CALADO, Margarida, PAIS DA SILVA, Jorge Henrique, Dicionário de Termos da Arte e Arquitectura, Editorial Presença, Lisboa, 2005, ISBN 20130007
  • KOEPF, Hans; BINDING, Günther (Überarbeitung), Bildwörterbuch der Architektur, Alfred Kröner Verlag, Stuttgart, 1999, ISBN 3-520-19403-1
  • MÜLLER, Werner, VOGEL, Gunther, dtv-Atlas Baukunst; Band 1 - Allgemeiner Teil. Baugeschichte von Mesopotamien bis Byzanz, Deutscher Taschenbuch Verlag, München, 2002, ISBN 3-423-03020-8