Terebintina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Abril de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Terebintina
Alerta sobre risco à saúde
Nome IUPAC Não aplicável
Identificadores
Número CAS 8006-64-2
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular C10H16 (aproximado)
Massa molar 136 g/mol (aproximado)
Densidade 0,85–0,87 g/cm3 (aproximado)
Ponto de fusão

< −50 °C (aproximado)

Ponto de ebulição

150–170 °C (aproximado)

Riscos associados
MSDS http://www.sciencelab.com/xMSDS-Turpentine-9925375
Principais riscos
associados
Inflamável
NFPA 704
NFPA 704.svg
3
1
0
 
Ponto de fulgor 35 °C
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Terebintina ou terebentina é um líquido obtido por destilação de resina de coníferas.

É um líquido normalmente incolor, mas pode se apresentar levemente colorido por causa de alguma impurezas, com aroma forte e penetrante de pinho (quando fabricado a partir de resina de pinheiro). É um bom solvente, sendo usado na mistura de tintas, vernizes e polidores. É constituído principalmente por terpenos.

A terebentina é o diluente ideal para tintas destinadas à pintura de óleo sobre tela.

O termo provém do nome grego do terebinto (Pistacia terebinthus), uma anacardiácea do Mediterrâneo donde primeiro se extraiu aquele líquido.[1]

O termo também pode ser usado para designar qualquer resina, enquanto que o extracto da resina é vulgarmente chamado aguarrás (comercialmente, muitas vezes, como "aguarrás vegetal").

É utilizado na medicina e na indústria, como solvente. É usada também para diluir pigmentos, dissolver ceras e limpar pincéis.

Produção[editar | editar código-fonte]

Uma das fontes primordiais foi o terebinto ou árvore turpentina (Pistacia terebinthus), uma árvore mediterrânea ao pistachio.

Importantes pinheiros para a produção de terebentina incluem: pinheiro-bravo (Pinus pinaster), pinheiro-do-alepo (Pinus halepensis), pinheiro chinês vermelho ou pinheiro de Masson (Pinus massoniana), pinheiro da Sumatra (Pinus merkusii), pinheiro de folhas longas (Pinus palustris), pinhero Loblolly (Pinus taeda) e pinheiro touro (Pinus ponderosa).

Terebentina destilada dos pinheiros da Califórnia tal como o pinheiro touro (Pinus ponderosa) e pinheiro cinza (Pinus sabiniana) rendem uma forma de terebentina que é quase heptano puro.[2]

Quando produzindo polpa de celulose por via química de pinheiros ou outras árvores coníferas com o processo Kraft, terebentina é coletada como um subproduto. Frequentemente ela é queimada na unidade de produção para a produção de energia. O rendimento médio de terebentina bruta é de 5 a 10 kg / ton de polpa.[3]

Cuidados[editar | editar código-fonte]

Terebintina é um solvente orgânico. Seus vapores podem irritar a pele e os olhos, causar danos aos pulmões e sistema respiratório, assim como ao sistema nervoso central quando inalados, e causa falência renal quando ingerida, entre outras coisas. Ela também representa risco de incêndios devido a ser inflamável.


Referências

  1. Barnhart, R.K.. The Barnhart Consise Dictionary of Etymology. New York: Harper Collins, 1995. ISBN 0062700847
  2. HenriettesHerbal.com.
  3. Forest Products Chemistry. Finland: [s.n.], 2000. 73 - 76 pp. vol. 3. ISBN 952-5216-03-9
Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.