Via ferroviária Trans-Aral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma vista do comboio no percurso do Trans-Aral. Grande parte da via atravessa a vasta estepe cazaque.

O Trans-Aral de bitola larga de 1520mm foi construído em 1906 ligando assim Orenburgo e Tashkent. Durante a primeira parte do século XX, era a única ligação ferroviária de bitola larga entre Rússia Europeia e Ásia Central.

Em 1874, já existiam planos para a construção de uma linha Orenburgo-Tashkent. Todavia a construirão da mesma não arrancou antes do Outono de 1900. A linha foi construída começando simultaneamente pelos dois extremos até chegar a junção comum. Abriu em Janeiro 1906, ligando as já existentes redes ferroviárias russas e europeias a Ferrovia Trans-Caspiana.

Depois da Revolução Bolchevique a linha foi bloqueada pelos Cossacos sob o comando de Ataman Dutov. Cortado do abastecimento de comida, e incapaz de se sustentar a si próprio devido ao cultivo forçado do algodão, o Turquistão experimenta um período de intensa fome. A perda temporária da Trans-Aral também permitiu ao soviete de Tashkent obter um grau de autonomia em relação a Moscovo durante o período seguindo a ascensão do Bolchevismo, o que resultou na ocorrência de grandes atrocidades tal como o Massacre de Kokand, onde entre 5000 e 14000 pessoas faleceram.

A linha percorre várias cidades no Cazaquistão, incluindo Aral, Qyzylorda, Turkistan, e Shymkent. Está ligada a Arys pela linha de caminho de ferro Turquestão–Sibéria através de Almaty, ao Cazaquistão a leste, e a Sibéria ao sul.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hopkirk, Peter, (1984) Setting the East ablaze : Lenin's dream of an empire in Asia, 252 pp., London: John Murray