Yamaha RD 350

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
RD 350
Yamaha RD 350LC modelo 1987.
Fabricante Yamaha
Apelido Viúva Negra, RD.
Produção 1980-1993
Tipo Esportiva
Motor 347cc3
2 cilindros em linha, 2 tempos com refrigeração líquida[1]
Potência 55cv a 9.000 rpm[1]
Torque 4,74 kgfm a 8.500rpm[1]
Transmissão 6 marchas
Suspensão D: garfo telescópico hidráulico dom sistema "Variable Damper" - 150mm de curso;
T: Monoamortecimento central "Monocross", regulável em 5 posições - 100mm de curso.[1]
Freios D: Disco duplo com pistào simples de 267mm;
T: Disco simples com dupla pinça de 267mm.[1]
Pneus D: 90/90 18 51 H;
T: 110/80 18 58 H[1]
Altura do Assento 780mm[1]
Tanque 18 litros[1]

A Yamaha RD 350 (acrônimo de Race Developed (desenvolvida para disputas), também conhecida no Brasil pela alcunha Viúva Negra) é uma série de motocicletas que foi produzida entre 1973 e 1993. No Brasil, sua produção começou em 1986 com o modelo RD350LC YPVS.

História[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Em 1967 a Yamaha lançou a RD, uma 350, 2 cilindros, 2 tempos.[2] [3] Em 1968 é lançada a R2 350 com motor, chassi e componentes totalmente diferentes, seu motor também 2 cilindros, 2 tempos, passou a ser Twin (os pistões movimentam-se em conjunto). Em 1969 foram fabricadas as R3, com visual similar a R2, apenas com o velocímetro e tacômetro independentes (antes era um mostrador único aclopado na cuba do farol). Assim como a R2, tiveram também a opção dos canos de escapamento Scrambler (tipo trail) e versão Grand Prix. Em 1970 vieram as R5, visual totalmente remodelado e mecânica derivada das TR3 350 de competição, imediatamente obtiveram sucesso em todo mundo. Posteriormente foram lançadas as R5 350 B (1971) e R5 350 C (1972), os modelos R5 diferenciavam-se entre si apenas pelas cores:

  • 1970 R5(A) - Metallic Purple/white
  • 1971 R5B - Mandarin Orange/white
  • 1972 R5C - Mandarin Orange/black

Não foram fabricados modelos R4 por motivo de o número 4 no Japão significar o número da morte e outras negatividades.

RD 350[editar | editar código-fonte]

A RD 350 (Race Developed) foi lançada em 1973 nas cores "candy red" e "Racing Green". A RD 350 inaugurou o uso do Torque Induction, a palheta de torque, um mecanismo que veda o retorno da mistura ar/combustível/óleo 2 tempos para o carburador, proporcionando melhor torque em baixas rotações e economia de combustível, um ponto crítico do Motor 2 Tempos. Também foram introduzidos os freios a disco dianteiro com pastilhas de dupla ação (dois cilindros), caixa de mudanças passou a ter com 6 marchas, o bloco do motor obteve novas tampas laterais com formato oval, Os mostradores (velocímetro e tacômetro) foram fixados em um painel onde também tinham as luzes de monitoramento dos piscas (Flash) independentes para cada direção, neutro e farol alto.

A extrema potencia do motor exigia muita atenção e habilidade na pilotagem, pois era praticamente uma motocicleta de competição trafegando na rua. Foi assim que a moto ganhou o apelido de "Viúva Negra" e também provocar várias mortes no trânsito por causa do torque e da velocidade que alcançava. A RD 350 vinha com um acessório fixado por baixo da mesa inferior, que funcionava como amortecedor de direção, estranhamente muitas Rd's eram vendidas sem este componente.

RD 350 A,B e C[editar | editar código-fonte]

RD 350 A lançada em 1974, RD 350 B fabricada de 1975 à 1976 e RD 350 C "slim tank" (tanque de combustível mais estreito)lançada em 1977 no mercado do Estados Unidos. A diferença entre elas foram apenas nas cores e grafismos.

A RD 350 B esteve de volta na India em 1983, sob nome de Rajdoot 350, foram fabricadas em 2 modelos, High Torque e Low Torque, este último com 27 HP. Apesar de terem sido símbolos Cult e de status, foram descontinuadas em 1989, o perfil dos condutores e as condições das ruas não estavam preparados para uma motocicleta desse calibre.

RD 400[editar | editar código-fonte]

Lançada em 1976, foi uma versão com maior cilindrada (389cc), mas mecânica muito semelhante às RD 350. O pistão da RD 400 possui maior curso de pistão, 62mm contra 54mm da RD 350. Este modelo introduziu o freio a disco traseiro e rodas de liga leve. Tiveram as versões C, D e E. Em 1978 foi lançada a RD 400 F Daytona, incluída a ignição eletrônica, novos freios, chassis e visual remodelados. A RD 400 não foi comercializada no Brasil devido à proibição das importações em 1976.

RD 350 LC[editar | editar código-fonte]

Em 1980 a Yamaha volta às 350cc, derivada das TZ 350 de competição, é lançada a RD 350 LC (Liquid Cooled), refrigeração líquida, CDI (Ignição eletrônica) e freio à disco nas duas rodas, sendo duplo na dianteira. Em 1983 recebe o sistema YPVS (Yamaha Power Valve System), Trata-se de uma válvula que abre e fecha a janela de escapamento do motor através de um motor elétrico controlado por um sistema eletrônico. Quando o motor está funcionando a menos de 5 mil RPM, a válvula se fecha e restringe a saída dos gases de escapamento, fazendo o motor produzir mais torque em baixas rotações e tornando a pilotagem mais dócil. Quando a moto ultrapassa os 5 mil RPM, a válvula se abre GRADUALMENTE, ou seja, faz com que na "subida de giro" a válvula se abre moderadamente, até que toda a potência do motor é liberada. Em 1986 a fábrica da Yamaha concentra a fabricação da RD 350 LC em Manaus e o modelo vem de fábrica com carenagem parcial ( apenas carenagem no farol seguida de semi-carenagens ) com opcional de carenagem integral. Em 1987/88, A RD 350 é fabricada apenas com carenagem integral, em 1991 recebe estilização, abandonando o farol quadrado para adotar dois faróis redondos e novo modelo de carenagem frontal. Em 1993 encerra-se a produção já denominada RD 350 R.

Na sua última versão ela teve as seguintes características técnicas: Motor de 2 cilindros em linha, 2 tempos, diâmetro e curso do pistão 64 x 54 mm, refrigerado a água, 347cc, taxa de compressão de 5:1, válvula eletrônica YPVS, partida a pedal, potência máxima de 55 cv a 9.000 rpm, torque máximo de 4,74 m.kgf a 8.500 rpm, alimentado por dois carburadores Mikuni VM 26 mm. Câmbio de 6 velocidades, transmissão por corrente, freio a duplo disco dianteiro de 267 mm Ø e traseiro a disco de 267 mm Ø. O Quadro é tubular, berço duplo, em aço. Suspensão dianteira telescópica hidropneumática e traseira monoamortecida. Pneu dianteiro, 90/90 aro 18 e traseiro 110/80 aro 18. Comprimento de 2,12 m, largura de 690 mm, distância entreeixos de 1,385 m, altura do banco de 780 mm, capacidade do tanque de 18 litros, peso líquido 167 kg. A velocidade máxima chega a cerca de 200 km/h e a aceleração de 0 a 100 km/h em cerca de 5 (cinco) segundos, conforme inúmeros testes realizados na época. Consumo? Depende da forma de condução da motocicleta, podendo variar de um mínimo de 8 km/l até um máximo de 16 km/l.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 1986 passa a ser produzida no Brasil com novo visual e carenagem semi-integral e já em 1987 uma decisão da Yamaha centraliza a produção das RD350 em nosso país, sendo exportada para o resto do mundo e descontinuada no Japão. Assim a RD350 no ano de 1988, ganha carenagem integral, discos de freios ventilados, suspensão dianteira Showa e um novo nome, RD350R, adequando-se ao exigente mercado externo.

Em 1989 foi produzida a série limitada denominada limited edition, em comemoração ao sucesso de vendas da motocicleta no exterior, principalmente na Europa. Foram fabricadas apenas 350 exemplares, os quais foram numerados por uma plaqueta de identificação. O modelo da série limitada caracterizava-se, especialmente, pela pintura cor branco perolizado e pelos gráficos exclusivos. Os gráficos eram idênticos aos do modelo comercializado na Europa alguns anos antes (1986-1988). O propulsor da série especial tinha 63 cavalos, contra 55 do modelo convencional, em razão de algumas mudanças, principalmente maior taxa de compressão - o que exigia a utilização de combustível especial na época. Especulou-se que apenas algumas destas 350 motos da série especial foram comercializadas no mercado brasileiro, pois grande parte desta produção teria sido direcionada a pessoas de notável importância da YAMAHA (diretores, dirigentes, investidores etc.), tanto do Brasil quanto do exterior, ou seja, poucas unidades foram efetivamente vendidas no país.

Em 1991 recebeu sua última remodelagem, passando a contar com carenagem totalmente fechada no estilo da CBR600 e Suzuki RGV. Ganha novos faróis duplos seguindo o mesmo padrão de estilo das FZR. Teve sua produção encerrada para o mercado brasileiro em 1993, sendo que seus últimos modelos foram vendidos até o final desse ano.

Ainda assim, foram produzidas para o mercado italiano, alemão e espanhol até o ano de 1995, quando infelizmente saíram totalmente de produção, deixando uma enorme legião de fãs e adoradores órfãos por todos os cantos do planeta.

Mesmo sendo motos muito mais avançadas tecnologicamente, e muito mais potentes, tinham uma distribuição de potência e torque muito mais linear que suas antecessoras, devido ao sistema YPVS, que serve para que a moto tenha maior aproveitamento do torque e da potência, desde as rotações mais baixas, sendo assim mais linear, e não agindo como um "Turbo" como muitas pessoas pensam.

Também foi a moto pioneira no mundo no uso do quadro de berço-duplo e suspensão traseira mono-amortecida de série. Seu quadro foi o precursor dos famosos quadros DeltaBox de alumínio desenvolvidos pela Yamaha, e posteriormente utilizados pelas demais marcas. Vinha equipada com 3 freios à disco, e rodas de alumínio.

Referências

  1. a b c d e f g h Geraldo Tite Simões (5 de Março de 2006). Motonline - Testes - Yamaha RD 350LC Motonline. Visitado em 29 de Janeiro de 2009.
  2. Best Cars Web Site. O veneno da viúva-negra Best Cars Web Site. Visitado em 01 de dezembro de 2009.
  3. Motos Clássicas 70. Teste da Yamaha RD 350 Motos Clássicas 70. Visitado em 01 de dezembro de 2009.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]