9º Congresso Nacional do Partido Comunista da China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
9º Congresso Nacional do Partido Comunista da China
s: 中国共产党第九次全国代表大会

t: 中國共產黨第九次全國代表大會

Bandeira do Partido Comunista da China de 1921 a 1996
Cidade(s) China Pequim, China
Data 1 a 24 de abril de 1969
Participantes 1.512 delegados representando 22 milhões de membros do partido
Cronologia
8º Congresso Nacional do Partido Comunista da China
10º Congresso Nacional do Partido Comunista da China
O 9º Congresso foi responsável por elevar Lin Biao ao status de sucessor de Mao Zedong. Na foto, Lin Biao em 1959.
O 9º Congresso foi responsável por elevar Lin Biao ao status de sucessor de Mao Zedong. Na foto, Lin Biao em 1959.

O Nono Congresso Nacional do Partido Comunista da China foi um importante congresso realizado pelo Partido Comunista durante o auge da Grande Revolução Cultural Proletária. Ocorreu em Pequim, no Grande Salão do Povo, entre 1 e 24 de abril de 1969. O congresso elegeu o 9º Comitê Central do Partido Comunista da China. Foi também responsável por ratificar formalmente o expurgo político de Liu Shaoqi e Deng Xiaoping e elevar os aliados mais radicais do Presidente Mao, como Jiang Qing, ao poder.

Discussão[editar | editar código-fonte]

Lin Biao foi responsável por apresentar o relatório político no congresso. O relatório enalteceu a teoria da "revolução contínua sob a ditadura do proletariado", isto é, o fato de que a burguesia continuava a tentar a restauração capitalista depois de ter sido derrubada do poder, e que, desse modo, tais tentativas devem ser preventivamente eliminadas. O discurso principal de Lin foi fortemente aplaudido pelos delegados e frequentemente interrompido por rodadas de cantos de slogans revolucionários. O Congresso classificou Liu Shaoqi como a "exemplificação da burguesia".

No Congresso, a ideologia da "revolução contínua" de Mao foi escrita na Constituição do Partido e Lin Biao foi nomeado "o camarada de armas e sucessor do Presidente Mao".

1.512 delegados participaram do congresso, embora não fossem todos membros do Partido. Um número significativo representava os grupos da Guarda Vermelha, e houve um aumento significativo no tamanho da delegação do Exército de Libertação Popular, muitos deles leais a Lin Biao.[1]

O Secretariado Central e a Comissão de Controle Central (a predecessora da Comissão Central de Inspeção Disciplinar) foram ambos abolidos neste congresso.

Depois que Deng Xiaoping assumiu o poder em 1978, o Congresso foi considerado "incorreto ideologicamente, politicamente e organizacionalmente. As orientações do congresso estavam, no todo, erradas".

Parte da estátua Vida Longa à Vitória do Pensamento Mao Zedong inclui um grupo de soldados e civis propagando as decisões do 9º Congresso Nacional.[2]

Eleitos[editar | editar código-fonte]

O Congresso elegeu 170 membros titulares e 109 membros suplentes para o 9º Comitê Central. Deste total de membros integrais e suplentes, apenas 53 faziam parte do 8º Comitê Central. A significante renovação (cerca de 82%) no alto escalão do partido demonstrou até que ponto o establishment do partido havia sido 'purificado' durante os anos precedentes da Revolução Cultural.

Na Primeira Sessão Plenária do 9º Congresso, Mao Zedong foi eleito presidente do Comitê Central e Lin Biao vice-presidente. Os membros do Comitê Permanente do Politburo eram Mao Zedong, Lin Biao, Chen Boda, Zhou Enlai e Kang Sheng.[3]

Referências

  1. MacFarquhar, Roderick; Schoenhals, Michael. Mao's Last Revolution. [S.l.: s.n.] ISBN 0-674-02332-3 
  2. Chinese Literature. Foreign Languages Press., 1971. pp. 132–133
  3. «The 9th National Congress - People's Daily Online». english.cpc.people.com.cn. Consultado em 2 de julho de 2019 

Notas[editar | editar código-fonte]