Altemar Dutra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Altemar Dutra
Informação geral
Nome completo Altemar Dutra de Oliveira
Também conhecido(a) como O Trovador das Américas
Nascimento 6 de outubro de 1940
Local de nascimento Aimorés,  Minas Gerais
País  Brasil
Morte 9 de novembro de 1983 (43 anos)
Local de morte Nova Iorque,  Nova Iorque
 Estados Unidos
Gênero(s) MPB, Bolero
Ocupação(ões) cantor e compositor
Instrumento(s) Violão
Modelos de instrumentos Vocal
Período em atividade 1963-1983
Gravadora(s) EMI-Odeon, RCA Victor
Afiliação(ões) Altemar Dutra Júnior

Altemar Dutra de Oliveira (Aimorés, 6 de outubro de 1940Nova Iorque, 9 de novembro de 1983) foi um cantor e compositor brasileiro.[1][2]

Sucesso em toda a América Latina, interpretando obras como "Sentimental Demais", "O Trovador", "Brigas" e "Que Queres Tu de Mim", boa parte das canções de autoria da dupla Evaldo Gouveia e Jair Amorim, foi progressivamente destacando-se no gênero musical bolero. De fato, veio a ser aclamado como o "rei do bolero" no Brasil.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início da carreira[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira na Rádio Difusora de Colatina, no Espírito Santo, localidade para onde sua família havia se mudado, cantando uma música de Francisco Alves. Antes de completar sua maioridade, seguiu para o Rio de Janeiro, levando uma carta de apresentação para o compositor Jair Amorim, que o encaminhou a amigos do meio artístico. Tentou a sorte como crooner em boates e casas de espetáculos.

Primeiro disco[editar | editar código-fonte]

Gravou seu primeiro disco na Tiger, com "Saudade que vem" (Oldemar Magalhães e Célio Ferreira) e "Somente uma vez" (Luís Mergulhão e Roberto Moreira). Por volta de 1963, foi levado por Jair Amorim para o programa Boleros Dentro da Noite, na Rádio Mundial, e no mesmo ano Joãozinho, do Trio Irakitan, levou-o para a Odeon, onde foi contratado. Logo atingiu os primeiros lugares nas paradas de sucesso com Tudo de mim (Evaldo Gouveia e Jair Amorim), tornando-se conhecido em todo o Brasil.

Carreira internacional[editar | editar código-fonte]

Em gravação.

Em 1964, gravou com grande sucesso "Que queres tu de mim", "O Trovador", "Sentimental demais" e "Somos iguais" (todas de Evaldo Gouveia e Jair Amorim). Destacou-se também na América Latina, fazendo apresentações em vários países e gravando um LP com Lucho Gatica: "El bolero se canta así".

Com suas versões em espanhol, chegou a vender mais de 500 mil cópias na América Latina. Depois de ter dominado as paradas de sucesso locais, a partir de 1969 passou a conquistar fãs de origem latina nos Estados Unidos. Em pouco tempo tornou-se um dos mais populares cantores estrangeiros nos Estados Unidos. Apresentava um show para a comunidade latino-americana, no clube noturno "El Continente", em Nova Iorque, quando faleceu aos 43 anos, de derrame cerebral.

Foi casado com a cantora Marta Mendonça, tendo dois filhos, Deusa Dutra e Altemar Dutra Júnior, este também a seguir carreira artística.

Segundo Paulo Cesar de Araújo (2002), em Eu Não Sou Cachorro, Não, apesar de seu grande sucesso, nacionalmente e internacionalmente, e alta venda de riscos, Dutra "jamais conseguiu opinião favorável da crítica, e hoje, passados mais de 20 anos de sua morte, ainda não obteve na produção historiográfica um reconhecimento à altura do talento que milhões de brasileiros lhe atribuem", o que ocorre porque "se destacou basicamente como intérprete de bolero, gênero que no Brasil não é identificado nem com a “tradição” nem com a “modernidade”" (ARAÚJO, 2002, p. 190). O mesmo ocorreu com Anísio Silva.[4]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1963 - "Mensagem"
  • 1963 - "A Grande Revelação"
  • 1964 - "Sentimental Demais"
  • 1964 - "Que Queres tu de Mim"
  • 1965 - "Eu te Agradeço"
  • 1966 - "Sinto que Te Amo"
  • 1967 - "Dedicatória"
  • 1969 - "O Trovador das Américas"
  • 1970 - "O Romântico"
  • 1971 - "Altemar Dutra"
  • 1971 - "Companheiro"
  • 1972 - "A Força do Amor"
  • 1973 - "Altemar Dutra"
  • 1974 - "Enamorado"
  • 1975 - "Altemar Dutra e Los Bronces"
  • "
  • 1976 - "Amigos"
  • 1977 - "Sempre Romântico"
  • 1978 - "Mais Sentimental"
  • 1979 - "Altemar Dutra"
  • 1980 - "Especialmente pra Você"
  • 1980 - "Siempre Romantico - 25 Boleros Inolvidables"
  • 1981 - "Eu Nunca Mais vou te Esquecer"
  • 1982 - "Estranho Amor"
  • 1983 - "Inédito"
  • 1984 - "Altemar Dutra"
  • 1989 - "O Trovador das Américas"
  • 1990 - "Especial - Altemar Dutra"
  • 1993 - "Nunca mais vou te Esquecer"
  • 1994 - "Meus Momentos - Altemar Dutra"
  • 1997 - "Meus Momentos Vol.II - Altemar Dutra"
  • 2000 - "Série Bis: Altemar Dutra"
  • 2005 - "Maxximum (Altemar Dutra)"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ALTEMAR Dutra. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <https://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa618248/altemar-dutra>. Acesso em: 30 de Jun. 2021. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7
  2. «Altemar Dutra». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 30 de junho de 2021 
  3. luuz, Jose (2 de outubro de 2020). «80 anos de Altemar Dutra, o cantor para quem 'morrer de amor' era natural». Esquina Musical. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  4. ARAÚJO, Paulo Cesar de. Eu não sou cachorro, não: Música Popular Cafona e Ditadura Militar. Rio de Janeiro: Editora Record. 2002. p. 190
Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço relacionado ao Projeto Música. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.