Amélia Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o município da Bahia, veja Amélia Rodrigues (Bahia).
Igreja N. Srª da Lapa, Amélia Rodrigues, Bahia, Brasil
Busto, Amélia Rodrigues, Bahia, Brasil

Amélia Augusta do Sacramento Rodrigues (Santo Amaro da Purificação, 26 de maio de 1861Salvador, 22 de agosto de 1926) foi uma educadora, escritora, teatróloga e poetisa brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida na Fazenda Campos, da freguesia de Oliveira dos Campinhos, então pertencente ao município baiano de Santo Amaro, estudou com o Cônego Alexandrino do Prado e, depois, com Antônio Araújo Gomes de Sá e Manuel Rodrigues de Almeida, completando a sua formação no colégio então mantido por Cândida Álvares dos Santos.

Começou a lecionar no Arraial da Lapa e, posteriormente, em Santo Amaro da Purificação, onde o fez por oito anos. Em 1891 foi transferida para Salvador e lotada no Colégio Central de Santo Antônio. Aqui, em 1905, um de seus alunos foi selecionado para lecionar língua inglesa pelo sistema do filósofo positivista Herbert Spencer. Amélia Rodrigues não só o auxiliou a compreender o pensamento daquele filósofo, como complementou o seu aprendizado.

Aposentada, retornou ao magistério de forma ainda mais dinâmica: fundou o "Instituto Maternal Maria Auxiliadora", que mais tarde se transformou na "Ação dos Expostos".

Obra[editar | editar código-fonte]

Dedicou-se ao jornalismo como colaboradora de publicações religiosas como "O Mensageiro da Fé", "A Paladina" e "A Voz". Escreveu algumas peças teatrais, entre as quais "Fausta" e "A Natividade". É autora dos poemas "Religiosa Clarisse" e "Bem me queres". Produziu ainda obras didáticas, literatura infantil e romances.

Homenagem[editar | editar código-fonte]

O governo do estado da Bahia, através da lei nº 182, de 20 de outubro de 1961, criou o município de "Amélia Rodrigues", em homenagem à educadora.

O espírito Amélia Rodrigues[editar | editar código-fonte]

Para os seguidores da doutrina espírita, após a morte de seu corpo físico, o espírito de Amélia Rodrigues prossegue a sua obra no chamado plano espiritual onde, na atualidade, participa da falange de Joanna de Ângelis, mentora de Divaldo Pereira Franco.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Amélia Rodrigues
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.