Anarkia Boladona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde setembro de 2009)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde setembro de 2009).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Anarkia Boladona
Anarkia Boladona grafitando.
Nome completo Panmela Castro
Nascimento 26 de junho de 1981 (36 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasileira
Alma mater Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Ocupação

Panmela Castro (Rio de Janeiro, 26 de junho de 1981) também conhecida como Anarkia Boladona, é uma artista brasileira, é conhecida internacionalmente como a rainha do graffiti brasileiro[1]. Foi nascida e criada na Penha, subúrbio do Rio de Janeiro. Formada[2] em pintura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro e mestre em processos artísticos contemporâneos pelo Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mas sua arte tem influência, da pichação, nicho underground habitualmente dominado por homens.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Artista de rua ativista nascida em 1981 no Rio de Janeiro como Panmela Castro. Seu trabalho de arte aborda de uma forma autobiográfica as relações estabelecidas a vivencia na rua, questões sobre o corpo feminino[3] em diálogo com a paisagem urbana, e outras relacionadas à alteridade [4]como crítica cultural feminista.[5]

Obra Artística[editar | editar código-fonte]

Pensando em provocar e polemizar através do processo artístico de convivência com a rua as verdades instituídas por nossa sociedade patriarcal, em especial em relação ao corpo feminino, à sexualidade, à subjetividade, analisando as relações de poder. Retirando a possibilidade restrita da concepção da produção de obras e colocando a arte como o próprio estilo de vida. Assim sua vivencia pessoal, as suas intimidades, as atitudes, as escolhas por caminhos não convencionais e o seu diálogo com a rua seriam o processo mais importante: A obra em si. Possuí um trabalho efêmero, pois coisas fixas e pertinentes não são suficientes para a sua ansiedade e não correspondem as necessidades de entendimento do mundo em que viva.

Panmela Castro conquistou reconhecimento internacional[6] por meio de seus grafites e hoje dedica-se à arte contemporânea com trabalhos em mídias como video, fotografia e principalmente performance art. Sua primeira performance [7] pública aconteceu em sete de julho de 2015 na abertura da Exposição Eva[8] onde convidou o público a cortar totalmente o seu cabelo. No ano de 2016 apresentou suas duas performances sequentes: "Porquê?"[9] realizada no Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea onde caminhou com um enorme vestido pink e riscou em seu peito com uma navalha a palavra "porquê?" e "A Imitação da Rosa" onde convidou o público a caminhar pelos jardins do Museu da República em um vestido siamês.

Trabalho Social[editar | editar código-fonte]

Panmela criou em 2008 o "Grafiteiras Pela Lei Maria da Penha",[10] um projeto que usa o graffiti e cultura urbana para combater a violência contra as mulheres. Através deste projeto, realiza junto com outras grafiteiras uma campanha para educar as mulheres desfavorecidas sobre a recentemente aprovada Lei Maria da Penha, uma importante nova lei sobre a violência doméstica da constituição brasileira. Para promover os direitos das mulheres, Anarkia aventurou-se em favelas do Rio de Janeiro dialogando com mulheres e meninas que agora estão informadas dos seus direitos, e produzindo murais com mensagens sobre os direitos das mulheres e a lei.[11] Junto com o grupo que se formou durante o projeto, Anarkia fundou a Nami rede feminista de artistas urbanas [12] que pensa e discute a situação da mulher na sociedade, realiza projetos sociais e usa a arte como um instrumento de transformação cultural. Suas integrantes acreditam que podem tornar o mundo um lugar melhor, usando grafite para uma mudança social positiva.

Em 2015 com apoio da Fundação Ford desenvolveu o programa #AfroGrafiteiras[13] que formou um grupo de 30 artistas nas temáticas da arte urbana, comunicação, raça e gênero.

Ações e Prêmios[editar | editar código-fonte]

Além de estudar na prestigiada Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro(UFRJ), Anarkia conquistou lugar como uma das figuras mais importantes do graffiti Brasileiro[14] através de sua arte com consciência social. Hoje, Anarkia promove sua missão em diferentes lugares do mundo compartilhando sua visão através de palestras, exposições e workshops hospedado por festivais, fóruns e conferências como das Organização das Nações Unidas, da Organização dos Estados Americanos,da Fundação Rosa Luxemburgo, La Família Ayara, Festival Manifesto, FASE e Caramundo. Além de produzir murais e expor em diversos países, Anarkia recebeu inúmeros prêmios e reconhecimentos, incluindo o Prêmio Hutúz, como grafiteiro da década em 2009 e o Vital Voices Global Leadership Awards[15] na categoria de direitos humanos, entrando assim para o grupo de seletas homenageadas como a Presidente do Chile Michelle Bachelet, a pioneira antitrafico de mulheres Somaly Mam, a premio Nobel Laureate Muhammad Yunus, e a secretária dos Estados Unidos Hillary Clinton. Em 2012 foi homenageada pela Diller Von Furstenberg Family foundation com o DVF Awards[16] da famosa estilista Diane von Fürstenberg junto de outras mulheres como Oprah Winfrey, entrou para lista da revista Newsweek [17] como uma das 150 mulheres que estão "Bombando" no mundo e em 2017 foi citada na lista de 18 nomes de ativistas da nova geração que estão fazendo a diferença[18] da W Magazine.

Em 2015 foi homenageada com o prêmio Mulher Melhor, o prêmio Toda Extra[19] e indicada ao prêmio Empreendedor Social de Futuro[20] da Folha de São Paulo. Em 2016 foi indicada ao prêmio Cláudia na categoria cultura.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Panmela continua ativa intervindo em toda a cidade e através de participação em manifestações públicas, seminários e projetos sociais.[21] O seu trabalho político social é a grande inspiração para seu trabalho artístico que matem como tema principal a questão das mulheres e o feminismo.

Referências

  1. CNN, Thomas Page. «Panmela Castro: Brazil's graffiti queen is out for justice». CNN. Consultado em 30 de maio de 2017 
  2. «Grafiteira Panmela Castro inaugura exposição no Centro | VEJA Rio». Consultado em 10 de agosto de 2015 
  3. «Panmela Castro - Anarkia Andarilha :: Exposições :: Guia Rio Show :: O Globo». rioshow.oglobo.globo.com. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  4. «galeriascenarium». galeriascenarium. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  5. Como na obra para a Bienal Internaciona de Graffiti Fine Art: http://bravonline.abril.com.br/conteudo/artesplasticas/por-anna-rachel-ferreira-593506.shtml
  6. Citação vazia (ajuda) 
  7. «Panmela Castro expõe suas obras em grafites sobre o mito de Eva». Consultado em 10 de agosto de 2015 
  8. «Por que a exposição Eva, de Panmela Castro, é totalmente transgressora?». Consultado em 10 de agosto de 2015 
  9. «Mostra reúne obras de Bispo do Rosário e de artistas contemporâneos». Brasileiros. 10 de junho de 2016 
  10. Pela ONG ComCausa: http://www.comcausa.org.br/noticias/grafiteiras_promotoras.htm
  11. De acordo com a Vital Voices: http://vitalvoices.org/vital-voice/panmela-castro-anarkia-brazil
  12. Verificado no site da organização: http://www.redenami.com
  13. «#AfroGrafiteiras - o programa de formação em arte urbana - MISTURA URBANA». Consultado em 10 de agosto de 2015 
  14. E internacional: http://www.canned-goods.co.uk/graffiti-interviews/egr/100/
  15. Criado durante o período em que Hillary Clinton era primeira Dama: http://vitalvoices.org/awards2010
  16. De acordo com o site do prêmio: http://www.dvf.com/inside/Article/inside-dvf-acticles/dvf-awards-3
  17. Site da Publicação: http://www.thedailybeast.com/newsweek/2011/03/06/150-women-who-shake-the-world.html
  18. Sagansky, Karin Nelson,Vanessa Lawrence,Gillian. «Meet the Next Generation of Activists Making a Difference, From Innovative Designers and Models to Young Women in Tech». W Magazine (em inglês) 
  19. «Prêmio Toda Extra: Grafiteira faz arte para se expressar contra agressão a mulheres». Consultado em 10 de agosto de 2015 
  20. «Folha de S.Paulo - Empreendedor Social». Folha de S.Paulo 
  21. Como o encontrão dos Enrraizados: http://oitavoencontrao.wordpress.com/graffiti/jurados-graffiti/graffiti-panmela-castro/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Anarkia Boladona