António Curson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

António Augusto Curson GOMAI foi um professor, escritor, político e maçom português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Professor do Instituto Superior de Comércio da Universidade Técnica de Lisboa.[carece de fontes?]

Ministro do Comércio e Comunicações de Portugal de 12 a 19 de Outubro de 1921, no 31.º governo republicano chefiado por António Granjo.

Membro do Conselho Nacional da Associação dos Escuteiros de Portugal desde 1923, à qual pertencia o seu parente o Dr. Dinis Curson.[carece de fontes?]

Foi o 11.º Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano Unido, com caráter interino, de 1928 a 1929.[1]

A 21 de Março de 1930 foi feito Grande-Oficial da Ordem Civil do Mérito Agrícola e Industrial Classe Industrial.[2]

Escreveu Lições de técnica pautal (1943) e A zona franca de Lisboa (1944).

Referências

  1. «Dirigentes das Maçonarias Portuguesas». Tripod.com. Consultado em 3 de Fevereiro de 2015 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Augusto Curson". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
Precedido por
Sebastião de Magalhães Lima
Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano Unido
(interino)
1928 – 1929
Sucedido por
António José de Almeida
(não tomou posse)
Precedido por
Francisco Fernandes Costa
Ministro do Comércio e Comunicações
1921
(XXXI Governo Republicano)
Sucedido por
António Pires de Carvalho
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.