António Marques Esparteiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

António Marques Esparteiro OAComAGOAMPMMMOCE (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 21 de Outubro de 1898 - 1976), Oficial da Marinha, dicionarista e historiador. Passou à reserva como capitão-de-mar-e-guerra em 21 de Outubro de 1958.

Família[editar | editar código-fonte]

Filho de Luís Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, 1868 - ?), Comerciante, e de sua mulher Engrácia Lopes (1867 - ?). Era irmão de Jesovina Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1891), Manuel Marques Esparteiro, Joaquim Marques Esparteiro, também um notável oficial da Marinha e governador de Macau, Eduardo Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1896), Vitorino Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1900), Jacinta Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1902) e Exaltina Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1905), os quais todos estudaram e foram pessoas de relevo.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frequentou o Curso da Escola Naval, tirou o Curso de Artilharia no Royal Naval College de Greenwich e na Gunnery School de Portsmouth e o Curso Naval de Guerra.[2]

Foi diretor da Escola de Alunos Marinheiros em 1927, e dos Serviços Marítimos. Comandou o torpedeiro Lis, o vapor Lidador e o aviso Afonso de Albuquerque. Pertenceu à Missão Naval da Fiscalização dos Avisos de 1.ª Classe construídos na Grã-Bretanha e Irlanda. Comandou também a Defesa Marítima do Porto de Leixões e Barra do Douro em 1943, com o posto de Capitão-Tenente, e ainda, interinamente, as Forças Navais do Estado da Índia.[3]

Condecorações[4][5][editar | editar código-fonte]

Publicações[editar | editar código-fonte]

No âmbito da sua profissão publicou diversos estudos e manuais técnico-navais, destacando-se também pela investigação histórica que levou a cabo e sobretudo pelo admirável Dicionário Ilustrado de Marinha (1936).

Publicou as seguintes obras[6]:

  • Questionário de Marinharia, Lisboa, 1928 (tem 5 edições);
  • Manual de Embarcações Miúdas (edição do Ministério da Marinha), Lisboa, 1931;
  • Peça Skoda de 67,5 m/m (edição do Ministério da Marinha), Lisboa, 1931;
  • A B C do Aluno Marinheiro, Lisboa, 1932;
  • Dicionário Ilustrado de Marinharia, Livraria Clássica Editora, Lisboa, 1936 (Lisboa, 1943 - 2.ª edição);
  • Quartos (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 1 a 2), Lisboa, 1940;
  • Panoramas Navais (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 4 a 6), Lisboa, 1940;
  • Subsídios para a História da Marinha de Guerra: Fragata D. Fernando e Glória (separata de Petrus Nonius, Vol. III, f. 2), Lisboa, 1940;
  • Causas da Decadência e do Ressurgimento da Marinha. Séculos XVI e XVIII (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 9 a 10), Lisboa, 1940;
  • Comandos e Manobras de Vela (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 11 a 12), Lisboa, 1940;
  • Paramina - Tipo B.V. (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 1 a 2), Lisboa, 1941;
  • Os Desvios no tiro anti-aéreo (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 3 a 4), Lisboa, 1941;
  • Corveta «Mindelo» (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 5 a 8), Lisboa, 1941;
  • A Tecnologia Naval nos Lusíadas (separata de Etnos, Vol. II), Lisboa, 1941;
  • O último cruzeiro do «Graf Spee», Lisboa, 1941;
  • A Acção do Oficial imediato a bordo (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 1 a 2), Lisboa, 1942;
  • Corveta «Rainha de Portugal» (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 5 a 10), Lisboa, 1942;
  • O Desembarque na Terceira em 1829 (separata de Defesa Nacional, n.ºs 102 a 104), Lisboa, 1942;
  • Navio-escola «Sagres» (separata de Petrus Nonius, Vol. V, f. 1-2), Lisboa, 1942;
  • Amarrações fixas (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 3 a 4), Lisboa, 1943;
  • Fragata «Rainha de Portugal», Lisboa, 1943;
  • O Almirante Marquês de Nisa, com a colaboração de António Maria Pereira, Edições Culturais da Marinha, Lisboa, 1944;
  • Arte de Velejar, Editora Marítimo-Colonial, Lisboa, 1945.

Foi colaborador da Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira.[7]

Referências

  1. http://motg.no.sapo.pt/p15.htm
  2. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, p. 213
  3. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, p. 213
  4. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Marques Esparteiro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de maio de 2014. 
  5. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, p. 213
  6. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, pp. 213 e 214
  7. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, p. 214

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • TEIXEIRA, Manuel. Marinheiros Ilustres Relacionados com Macau, Macau, Centro de Estudos Marítimos, 1988, pp. 208-209.