Anton Rubinstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Anton Rubinstein
Nome nativo Anton Grigorevich Rubinstein
Nascimento 16 de novembro de 1829
Ofatinți
Morte 8 de novembro de 1894 (64 anos)
Peterhof
Sepultamento Cemitério Tikhvin
Cidadania Império Russo
Irmão(s) Nikolai Rubinstein
Ocupação compositor, pianista, maestro, musicólogo, professor de música, professor universitário
Prêmios Ordem do Mérito para as Artes e Ciência, Medalha de ouro da Royal Philharmonic Society
Empregador Conservatório de São Petersburgo
Religião ateísmo
Anton Rubinstein.

Anton Grigorevich Rubinstein, em russo: Антон Григорьевич Рубинштейн, (Vikhvatinets, 28 de novembro de 1829Peterhof, 20 de novembro de 1894) foi um pianista, compositor e maestro russo.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nascido numa família judaica no território da atual Transnístria, aprendeu a tocar piano cedo. Seu professor, Alexander Villoing, fez o seu exame em Paris, onde tocou para Chopin e Franz Liszt, e também ouviu-os tocar. Em Berlim, ele e seu irmão Nikolai Rubinstein estudaram composição e teoria com Siegfried Dehn. Lá eles conheceram Felix Mendelssohn e Giacomo Meyerbeer. Mudou-se então para Viena onde ensinou por pouco tempo, antes de retornar a Rússia em 1848 onde trabalhou como um músico à cunhada do Tsar.

Selo Russo com a foto de Anton Rubinstein.

Estabeleceu-se em São Petersburgo e depois começou uma turné outra vez como um pianista em meados de 1850. Rubinstein foi um crítico do movimento nacionalista russo, cujo rosto mais visível foi o grupo Os Cinco, e que lhe valeu mesmo uma troca de mimos com Mily Balakirev (1837-1910). É que Rubinstein fundou a Sociedade Musical Russa, em 1859, e o Conservatório de S. Petersburgo (a primeira escola de música na Rússia), em 1862, para "combater o amadorismo desse movimento nacionalista"…

Rubinstein morreu em Peterhof, sofrendo de doenças do coração por algum tempo. Toda sua vida tinha sentido algo de estranho; escreveu sobre ele mesmo em suas anotações - "russos chamam-me de alemão, alemães chamam-me de russo, judeus chamam-me de cristão, cristãos chamam-me de judeu. Pianistas me chamam um compositor, compositores chamam-me de pianista. Os classicistas imaginam em mim um futurista, e os futuristas chamam-me de reacionário. Minha conclusão é que não sou um peixe nem uma ave - um indivíduo lamentável".

Está sepultado no Cemitério Tikhvin.

Obra[editar | editar código-fonte]

Até 1867 Rubinstein foi director e professor do Conservatório, período durante o qual teve Tchaikovsky como aluno. Depois, voltou à sua carreira de pianista e dedicou-se igualmente à composição. Esta última faceta será porventura a menos conhecida nos dias de hoje, apesar de ter registado alguns sucessos enquanto vivo. Prolífico, escreveu cerca de 2 dezenas de óperas, oratórios, 6 sinfonias, 5 concertos para piano, música de câmara e obras vocais.

Depois da morte de Rubinstein, seus trabalhos começaram a ser ignorados, embora o seu concerto para piano perdurasse na Europa até a primeira guerra mundial. Caindo em nenhuma tradição, e talvez faltando um tanto de individualidade, a música de Rubinstein era simplesmente incapaz de competir com os clássicos estabelecidos como bons ou com o novo estilo russo de Stravinsky e de Prokofiev.

Retrato de Ilya Repin do compositor Anton Rubinstein (1881). Pintura a óleo. Galeria Tretyakov, Moscou, Russia..

Rubinstein tinha-se identificado consistentemente com as tradições mais conservadoras na música européia de seu tempo. Teve pouco tempo para a música de Richard Wagner e outros radicais musicais. Mendelssohn foi um ídolo durante todo a vida de Rubinstein; executou frequentemente sua música em seus próprios recitais; sua própria música de solo para piano contém muitos ecos de Mendelssohn, de Frédéric Chopin e de Robert Schumann.

Recentemente, seu trabalho foi executado pouco mais freqüentemente na Rússia e no exterior, e teve muitas críticas positivas. Entre seus melhores trabalhos conhecidos estão a ópera "O Demônio", seu "concerto no. 4 do piano", e sua "Sinfonia no. 2", conhecido como "O Oceano".

Está sepultado no Cemitério Tikhvin.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Anton Rubinstein

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Anton Grigorevich Rubinstein, ed. L. Barenboim, Literary Works (3 vol.), (in Russian), Moscow 1983
  • Lev Aronovich Barenboim, Anton Grigorevich Rubinstein (2 vol.), (in Russian), Moscow 1957-62
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.