Basílica Úlpia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Basílica Úlpia
Reconstrução da Basílica Úlpia
Ruínas da Basílica Úlpia no Fórum de Trajano
Tipo Basílica
Construção século II
Promotor / construtor Trajano
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localidade VIII Região - Fórum Romano
Coordenadas 41° 53' 44" N 12° 29' 4.46" E
Basílica Úlpia está localizado em: Roma
Basílica Úlpia
Basílica Úlpia

Basílica Úlpia é um antigo edifício civil romano que ficava no Fórum de Trajano separando o templo da praça principal, da qual resta hoje apenas a Coluna de Trajano, em direção noroeste.[1] Seu nome é uma referência ao imperador romano Trajano, cujo nome completo era Marco Úlpio Trajano.[2] Ao contrário das basílicas cristãs posteriores, o edifício não tinha nenhuma função religiosa e servia como local onde se administrava a justiça, se promovia o comércio e contava com a presença do imperador. Era a maior basílica de Roma, medindo 117 metros de comprimento.[2]

Provavelmente era a mais importante basílica depois das duas mais antigas do fórum, a Basílica Emília e a Basílica Júlia. Com sua construção, muito da vida política da cidade mudou do Fórum Romano para o Fórum de Trajano, uma situação que perdurou até a construção da Basílica de Maxêncio e Constantino.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A Basílica Úlpia tinha uma grande nave central com quatro corredores e janelas no clerestório que ajudavam a iluminar o espaço, dividido por fileiras de colunas com duas absides semicirculares, uma em cada ponta, e com a entrada no lado longitudinal. As colunas e as paredes eram revestidas de mármores preciosos e o teto, com cinquenta metros de altura, era coberto por telhas de bronze dourado.

As muitas fileiras de colunas separando os corredores e a nave são tradicionais em basílicas, uma forma que remonta aos antigos salões hipostilos do Egito Antigo.[3] Neste sentido, a Basílica Úlpia é bastante parecida com o mais famoso destes salões, o Grande Salão Hipostilo de Karnak.

Muitas colunas ainda estão in situ, mas muitas mais ruíram. Parte da fundação da basílica está hoje sob a moderna Via dei Fori Imperiali, uma via construída na época de Benito Mussolini. Durante o período romano, o edifício era decorado com espólios de guerra e troféus da Guerras Dácias de Trajano.

Posteriormente, Constantino I utilizou o edifício como base para a construção das novas igrejas cristãs e também para a Basílica de Maxêncio e Constantino.[4]

Planimetria[editar | editar código-fonte]

Planimetria dos fóruns imperiais de Roma


Referências

  1. Tomlinson, R. A. From Mycenae to Constantinople: the Evolution of the Ancient City. London: Routledge, 1992. Print. ISBN 978-0-415-05998-5 (em inglês)
  2. a b Roth, Leland M. (1993). Understanding Architecture: Its Elements, History and Meaning (em inglês) First ed. Boulder, CO: Westview Press. p. 222. ISBN 978-0-06-430158-9 
  3. The Forum of Trajan in Rome: A Study of the Monuments in Brief (2001) by James E. Packer; Roman Imperial Architecture (1981) by J. B. Ward-Perkins; Aulus Gellius: Attic Nights (1927) trad. John C. Rolfe (Loeb Classical Library). (em inglês)
  4. Giavarini, Carlo., The Basilica of Maxentius: the Monument, its Materials , Construction, and Stability, Roma: L'Erma di Bretschneider, 2005.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Basílica Úlpia