Biotônico Fontoura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde maio de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Embalagem plástica de Biotônico Fontoura

O Biotônico Fontoura é um medicamento fortificante e antianêmico criado em 1910 pelo farmacêutico brasileiro Cândido Fontoura. Desde meados dos anos 90, o Biotônico Fontoura havia se tornado marca do portifólio da DM Farmacêutica, que posteriormente foi vendida ao Hypermarcas que ainda produz e comercializa o produto no Brasil. No ano de 2010 o Biotônico Fontoura completou 100 anos e entrou para a lista de medicamentos mais antigos ainda em circulação no Brasil.

O slogan do produto era Ferro para o sangue e fósforo para os músculos e nervos e seu jingle era Bê, á, bá. Bê, e, bé. Bê, i, Bi…otônico Fontoura!, composto em 1978.

Sua história[editar | editar código-fonte]

Cândido Fontoura, (Nascido em Bragança Paulista) fundou em São Paulo em 1910 uma fábrica para a produção de um fortificante que havia criado para o tratamento de sua esposa que estava com a saúde fragilizada. Queria um produto com qualidades semelhantes ao Elixir Nogueira ou a Emulsão de Scott, seus concorrentes.[1] O nome Biotônico Fontoura foi dado por Monteiro Lobato famoso escritor e amigo profissional do farmacêutico Fontoura.[2] Ambos trabalhavam no jornal O Estado de S. Paulo (atualmente mais chamado de Estadão) e Monteiro Lobato sentia-se muito cansado quando Fontoura indicou o medicamento ao amigo e este sentiu-se mais animado. Posteriormente foi criado o Almanaque Fontoura que trouxe o personagem de Lobato Jeca Tatuzinho, baseado no Jeca Tatu que o autor criara na literatura. O almanaque divulgava o laboratório e pregava uma campanha contra a ancilostomose.[2]

Durante a vigência da Lei Seca, o Biotônico Fontoura foi exportado para os Estados Unidos. Como se tratava de um produto medicinal, sua comercialização e consumo eram liberados. Ainda que muitos o considerem superestimado, Cândido Fontoura contava que ganhou muito dinheiro com o negócio. Não há registros da quantidade exportada.[3]

Sua fórmula original continha 19,5% de álcool etílico; em 2001 a Anvisa proibiu álcool em formulações destinadas às crianças, nesta época o produto continha 9,5% de álcool etílico.[4]

A fórmula atual contém: (extrato glicólico (Aloe perryi, Commiphora myrrha, Myrisitca fragans, Cinnamomum zeylanicum, metilparabeno, propilparabeno e propilenoglicol), sacarose, metilparabeno, sorbato de potássio, corante caramelo, aroma e água), além de sulfato ferroso heptahidratado e ácido fosfórico.

Referências

  1. CADENA, Nelson. (25 de fevereiro de 2010). "Há 100 anos, o Biotônico Fontoura, chegava às patreleiras das farmácias". Almanaque da Comunicação. Visitado em 15 de junho de 2011.
  2. a b EDLER, Flavio Coelho (2006). Casa da Palavra, : . Boticas & Pharmacias: uma história ilustrada da farmácia no Brasil (Rio de Janeiro [s.n.]). Consultado em 15 de junho de 2011. 
  3. «A força de uma marca centenária». Istoedinheiro.com.br. 
  4. (21 de abril de 2001) "Governo manda mudar fórmula do Biotônico Fontoura". Visitado em 15 de junho de 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]




Ícone de esboço Este artigo sobre farmácia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.