Bispado de Vármia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por pela arquidiocese católica polonesa, veja Arquidiocese de Vármia.



Fürstbistum Ermland
Biskupie Księstwo Warmińskie

Bispado de Vármia

Parte do Estado da Ordem Teutónica
Parte do Império Polonês
Parte da República das Duas Nações

Teutonmedvflag.png
1243 – 1466 Kingdom of Poland-flag.svg
 
Flag of Prussia (1466-1772) Lob.svg

Brasão de Vármia

Brasão

Localização de Vármia
Bispado de Varmia em 1635 (em vermelho)
Continente Europa
Região Europa Central
País Polônia
Capital Lidzbark Warmiński
Governo Teocracia
Período histórico Idade Média
 • 24 de julho de 1243 Criação da Diocese
 • 24 de julho de 1243 Criação do Bispado
 •  1356 Ganho de Reichsfreiheit
 •  1466 Independência da Ordem Teutônica
 • 5 de agosto de 1466 Anexação pela Polônia
 • 1 de julho de 1772 Anexação pela Prússia

O Principado-Bispado de Vármia[1] (em polonês/polaco: Biskupie Księstwo Warmińskie ,[2] em alemão: Fürstbistum Ermland )[3] foi um estado eclesiástico semi independente, governado pelo prelado da Sé de Vármia e compreendendo um terço da área, então diocesana. Os outros dois terços da diocese estava sob o governo secular do Estado dos Cavaleiros Teutônico Monástica (até 1525, e Prússia Real depois). A Sé de Vármia era uma diocese prussiana sob a jurisdição do Arcebispado de Riga que era um protetorado da Prússia Teutônica (1243–1466) e um protetorado do Reino da Polônia, depois parte da República das Duas Nações após a Paz de Toruń (1466-1772)[4]

História[editar | editar código-fonte]

Originalmente fundada como o Bispado de Ermland,[5] criado por Guilherme de Módena em 1243 no território da Prússia após sua conquista pelos Cavaleiros Teutônicos durante das Cruzadas do Norte. O capítulo da catedral diocesano foi constituído em 1260. Enquanto nos anos 1280 a Ordem Teutônica conseguiu impor a participação simultânea de todos os cânones capitulares na Ordem nos outros três bispados prussianos, o capítulo de Ermland manteve a sua independência. Então o capítulo de Ermland poderia repelir a influência externa ao eleger seus bispos. Assim, a Bula Dourada do Imperador Carlos IV nomeava os bispos como príncipe-bispos, categoria não adjudicada aos outros três bispos da Prússia (Kulm, Pomesania e Samland).

Pela Paz de Toruń (1466) o principado-bispado - assim como em outras histórias da Prússia Teutônica oriental - separou-se e formaram uma parte da Prússia Real, que adotou o Império Polonês como soberano em união pessoal. Depois em 1569 a Prússia Real em conjunto a República das Duas Nações a autonomia de Vármia desvaneceu-se gradualmente.

Após a Primeira Partilha da Polônia em 1772, a anexação pelo Reino da Prússia secularizou o principado-bispado como um estado.[6] Seu território, Vármia (em alemão: Ermeland ), foi incorporado à Prússia Oriental. O rei Frederico II da Prússia confiscou as terras de propriedade do principado-bispado e atribuiu para o Kriegs- und Domänenkammer em Königsberg.[7] Em troca, ele compensava as enormes dívidas do então príncipe-bispo Ignacy Krasicki.

Pelo Tratado de Varsóvia (18 de setembro de 1773), Frederico II garantia o livre exercício da religião para os católicos, assim que o corpo religioso da diocese católica romana continuou a existir, conhecida desde 1992 como a Arquidiocese de Vármia.

Príncipes-bispos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lubieniecki, Stanisław; George Huntston Williams (1995). History of the Polish Reformation. [S.l.]: Fortress Press. ISBN 978-0-8006-7085-6 
  2. Biskupie Księstwo Warmińskie @ Google books
  3. Fürstbistum Ermland @ Google books
  4. Lukowski, Jerzy; Hubert Zawadzki (2006). A Concise History of Poland. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-85332-3 
  5. Ermland, ou Ermeland (Varmiensis, Vármia) um distrito da Prússia Oriental e um bispado livre (1512/1566–1930), Catholic Encyclopedia, [1]
  6. The Catholic Encyclopedia. 1913 
  7. Max Töppen's Historisch-comparative Geographie von Preussen
  8. eleito papa com o nome de Pio II

Fontes[editar | editar código-fonte]