Black Snake Moan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Black Snake Moan
Black Snake Moan - A Redenção (PT)
Entre o Céu e o Inferno (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2006 •  cor •  115 min 
Direção Craig Brewer
Produção Stephanie Allain
John Singleton
Roteiro Craig Brewer
Elenco Samuel L. Jackson
Christina Ricci
Justin Timberlake
Gênero Drama
Música Scott Bomar
Cinematografia Amy Vincent
Edição Billy Fox
Companhia(s) produtora(s) Paramount Classics
Distribuição Paramount Vantage
Lançamento Estados Unidos 2 de março de 2007
Portugal 31 de outubro de 2007 (DVD premiere)
Idioma Inglês
Orçamento US$15 milhões[1]
Receita US$10,903,846[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Black Snake Moan (Entre o Céu e o Inferno, no Brasil / Black Snake Moan - A Redenção, em Portugal) é um filme de drama estadunidense de 2006 escrito e dirigido por Craig Brewer, e estrelado por Samuel L. Jackson, Christina Ricci, Justin Timberlake, e Kim Richards. A trama se concentra em um ex-guitarrista de blues do Mississippi (Jackson) que tem uma mulher local problemática (Ricci) sob cativeiro em sua casa, na tentativa de curá-la de sua ninfomania depois de encontrá-la severamente espancada na beira de uma estrada.

O título do filme deriva da canção de Blind Lemon Jefferson de 1927. O filme atrai inúmeras referências ao movimento Mississippi Blues, nomeadamente em seu título e trilha sonora.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme é centrado em dois personagens principais: Lázaro Redd (Samuel L. Jackson), um agricultor profundamente religioso e ex guitarrista de blues, e Rae Doole (Christina Ricci), uma jovem viciada em sexo. A esposa de Lázaro e seu irmão estavam tendo um caso, o que o deixou amargo e zangado. O namorado de Rae Ronnie Morgan (Justin Timberlake) a deixa para ir a brigada 196, da Guarda Nacional do Tennessee, e na sua ausência, ela se entrega a crises de uso promiscuidade e drogas. Durante uma das farras de Rae, o amigo de Ronnie Gill, Morton (Michael Raymond- James) tenta tirar vantagem dela. Ela ri de seus avanços, comparando-o desfavoravelmente com outro homem, e ele severamente bate nela. Acreditando que ela está morta, Gill despeja Rae e deixa- la para morrer em apenas uma camisa e calcinha ao lado da estrada e vai embora.

Lázaro descobre Rae inconsciente na estrada na manhã seguinte e traz para sua casa para cuidar dela de volta à saúde. Lázaro vai ver Tehronne (David Banner) – o homem que Lázaro pensou tinha batido nela – e sabe de sua promiscuidade. Ao longo de vários dias, Rae, delirando de febre, de vez em quando acorda e tenta fugir de Lázaro. Ele prende-a no aquecedor para impedi-la de fugir. Após Rae recupera seu juízo, Lázaro anuncia que é seu dever espiritual para curá-la de seus caminhos pecaminosos e se recusa a libertá-la até que ela faça isso. Rae faz várias tentativas de fuga, e mesmo que brevemente tem relações sexuais com um adolescente, ela ajuda para na fazenda de Lázaro. Ela finalmente vem a tolerar sua posição. Lázaro compra-lhe um vestido conservador para vestir, toca a guitarra para ela e a alimenta com suas refeições caseiras. O pastor e amigo próximo de Lázaro, R.L. (John Cothran, Jr.), visita Lázaro em sua casa e descobre que Lázaro está aprisionando Rae. O pastor tenta argumentar com Lázaro e o grupo compartilha uma refeição.

Enquanto isso, Ronnie retorna à cidade depois de ser dispensado a partir da Guarda Nacional, devido à seu grave transtorno de ansiedade. Enquanto procurava por Rae, que desapareceu, ele conhece Gill, que lhe informa que Rae o trai sempre que ele está fora da cidade. Ronnie ataca Gill, rouba seu caminhão, e continua à procura de Rae. Na parte da manhã, Lázaro libera Rae, tendo decidido que ele não tem autoridade para julgar ela. Rae escolhe ficar com Lázaro de sua própria vontade. Mais tarde, Rae e Lázaro fazem uma viagem para a cidade, onde Rae confronta sua mãe (Kim Richards) sobre os abusos sexuais que sofreu nas mãos do parceiro de sua mãe. Enquanto isso, Lazarus formou um romance com a farmacêutica local, Angela (S. Epatha Merkerson). Ele toca num concerto de blues em um bar local, que atende Rae. Ronnie acha Rae e segue-a para a casa de Lázaro. Ele confronta o par com uma pistola, mas Lázaro fala-lo e convoca o pastor. Ronnie e Rae decidem que eles são mais fortes juntos do que separados e se casam. Ao dirigir na estrada, Ronnie sofre de um ataque de pânico novamente e Rae começa a ter um de seus feitiços, mas, em seguida, eles se reúnem e resolvem tomar conta uns dos outros.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Para o filme, Jackson passou seis ou sete horas por dia para metade de um ano aprendendo a tocar guitarra blues para várias músicas que ele toca ao longo do filme,[2][3] todos os quais derivam do repertório de R. L. Burnside.[4] Samuel L. Jackson aprendeu a tocar guitarra ao completar a produção de Sankes on a Plane. Os dois filmes lançados no mesmo ano, estrelados por Jackson e com a palavra "snake" no título.[5] Ricci usava uma real corrente de 40 libras (18 kg), durante as filmagens[6] Craig Brewer trouxe várias correntes diferentes para o set e disse Ricci para escolher a que melhor lhe convinha,[5] enquanto as calcinhas que Christina Ricci usava no filme foram compradas por ela na loja de departamentos Dillard's. Ela também contribuiu com um par de botas de cowboy, uma jaqueta Wrangler e um short de seu próprio armário[5] e comia apenas alimentos sem valor nutricional para alcançar uma aparência doentia.[7] Ela disse à Entertainment Weekly que ela permaneceu com pouca roupa, mesmo quando as câmeras não estavam rolando: "Sam [Jackson] seria como, 'Coloque algumas roupas! Eu estava como, 'Não, você não entende. Eu estou fazendo algo importante".[8] Existiram rumores de que o final original envolvia o personagem de Justin Timberlake atirando na parte de trás da cabeça do personagem de Samuel L. Jackson durante a cena em que Christina Ricci canta "This Little Light of Mine". Porém, o diretor Craig Brewer decidiu que seria melhor fazer um filme feliz e com um final muito positivo.[5]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Black Snake Moan teve recepção mista por parte da crítica especializada. Em base de 34 avaliações profissionais, alcançou metascore de 52% no Metacritic. Por votos dos usuários do site, atinge uma nota de 7.5, usada para avaliar a recepção do público.[9]

No programa de televisão Ebert & Roeper, cineasta Kevin Smith, preenchendo para Roger Ebert, descreveu o filme como o melhor do ano até agora. Smith elogiou Ricci e Jackson, dizendo que este foi o melhor desempenho de Ricci e melhor desempenho de Jackson desde Pulp Fiction (1994). Richard Roeper também deu ao filme uma classificação de "polegar para cima". Matt Glasby de Film4, no entanto, recebeu o filme apenas uma estrela de 5, chamando-a de "bagunçada comida de pressão" que foi "ruim o suficiente para fazer gengivas sangrarem".[10] O filme também foi criticado por ativistas feministas por seu retrato de violência sexual.[11] Peter Travers da Rolling Stone declarou que o filme tinha o pior sexo softcore em sua lista dos piores filmes de 2007.[12]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Durante a sua semana de estreia de 2-4 de março de 2007 nos EUA o filme ganhou $4 milhões, colocando-o em oitavo lugar, atrás de outros filmes, incluindo novos lançamentos Wild Hogs e Zodiac.[1][13]

Marketing[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2008, Christina Ricci comentou no cartaz promocional do filme, criticando-a como exploradora das mulheres:

"A maneira que o filme foi comercializado foi provavelmente uma das coisas mais frustrantes e perturbadoras que já me aconteceram na minha carreira. Não tenho nenhum interesse em explorar as mulheres mais longe do que elas já foram exploradas...Todos eles [patrões do marketing] importavam era os meninos em idade universitária indo para vê-lo".[14]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Black Snake Moan
Trilha sonora de vários
Lançamento 30 de janeiro de 2007
Gênero(s) Blues
Gravadora(s) New West
Produção vários

Black Snake Moan foi lançado em 30 de janeiro de 2007 pela New West Records com vários artistas, incluindo quatro faixas executadas pelo próprio Jackson. As 17 faixas cobrir clássico ao moderno blues.

N.º Título Artista Duração
1. "Opening Theme"   Scott Bomar 0:38
2. "Ain't But One Kind of Blues"   Son House 0:11
3. "Just Like a Bird Without a Feather"   Samuel L. Jackson 2:22
4. "When the Lights Go Out"   The Black Keys 3:13
5. "Standing in My Doorway Crying"   Jessie Mae Hemphill 4:40
6. "Chicken Heads"   Bobby Rush 2:32
7. "Black Snake Moan"   Samuel L. Jackson 4:04
8. "Morning Train"   Precious Bryant 3:00
9. "The Losing Kind"   John Doe 2:33
10. "Lord Have Mercy on Me"   Outrageous Cherry 3:04
11. "Ronnie and Rae's Theme"   Scott Bomar 1:08
12. "The Chain"   Scott Bomar 2:50
13. "Alice Mae"   Samuel L. Jackson 3:48
14. "Stack-o-lee"   Samuel L. Jackson 3:30
15. "Poor Black Mattie"   R. L. Burnside 4:10
16. "That's Where the Blues Started"   Son House 0:21
17. "Mean Ol' Wind Died Down"   North Mississippi Allstars 7:31

Referências

  1. a b c «BLACK SNAKE MOAN». Box Office Mojo. Amazon.com. Consultado em 2007-03-04. 
  2. «About.com». Samuel L Jackson Talks About "Home of the Brave". Consultado em February 20, 2007. 
  3. «Crave Online». Moaning MF'n Snakes. Consultado em 2007-02-20. 
  4. «Samuel L. Jackson Channels The Blues In New Film». DownBeat Magazine [S.l.: s.n.] 2006-03-11. Consultado em 2014-01-22. 
  5. a b c d Black Snake Moan no AdoroCinema
  6. «The Two-One-Three». Black Snake Moan. Consultado em 2007-02-20.  [ligação inativa]
  7. «Yahoo Entertainment News». 
  8. Rottenberg, Josh (2007-02-23). «Entertainment Weekly» [S.l.: s.n.] 
  9. «Black Snake Moan» (em inglês). Metacritic. Consultado em 27 de junho de 2014. 
  10. «Black Snake Moan Review». Film4. Consultado em 2007-05-18. 
  11. «Black Snake Moan». feministing.com. Consultado em 2007-05-18. 
  12. Travers, Peter, (December 19, 2007) "Peter Travers' Best and Worst Movies of 2007" Rolling Stone. Retrieved 2007-12-20
  13. «Weekend Box Office, March 2–4, 2007». Box Office Mojo. Amazon.com. Consultado em 2007-05-18. 
  14. «Ricci upset by 'Black Snake Moan' marketing» Starpulse [S.l.] 2008-04-19. Consultado em 2008-04-21. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]