Caliban (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Caliban
Satélite Urano XVI
Características orbitais[1]
Semieixo maior 7 231 100 km
Excentricidade 0,1812
Período orbital 579,73 d (1,587 a)
Inclinação 141,529 °
Argumento do periastro 354,339°
Longitude do nó ascendente 171,189°
Características físicas
Diâmetro equatorial 72[2][3] km
Área da superfície ~16 000 km²
Volume ~200 000 km³
Massa ~2,5×1017 kg
Densidade média ~1,3 g/cm³
Período de rotação 2,7 h[4]
Albedo 0,04 (assumido)[3][2]
Temperatura média: -208,15 ºC

Caliban, também designado como Urano XVI,[5] é o segundo maior satélite irregular retrógrado de Urano.[3] Foi descoberto em 6 de setembro de 1997 por Brett J. Gladman, Philip D. Nicholson, Joseph A. Burns, e John J. Kavelaars usando o telescópio Hale e recebeu a designação provisória S/1997 U 1.[6]

Foi nomeado a partir de um personagem da obra de William Shakespeare The Tempest.[5]

Órbita[editar | editar código-fonte]

Caliban segue uma órbita distante, mais de dez mais distante de Urano que a lua regular mais externa, Oberon.[6] Sua órbita é retrógrada, moderadamente inclinada e levemente excêntrica. Os parâmetros orbitais sugerem que Caliban pode pertencer ao mesmo grupo dinâmico de Stephano e Francisco, sugerindo origem comum.[7]

Características físicas[editar | editar código-fonte]

O diâmetro de Caliban é estimado em 72 km (assumindo albedo de 0,04),[3][2] fazendo dele o segundo maior satélite irregular de Urano, com metade do tamanho de Sycorax, o maior satélite irregular.[2]

Medições um pouco inconsistentes estimam uma cor vermelha-clara para Caliban (B–V = 0,83 V–R = 0,52,[8] B–V = 0,84 ± 0,03 V–R = 0,57 ± 0,03[7]), mais vermelho que Himalia mas menos vermelho que a maioria dos objetos do cinturão de Kuiper. Caliban pode ser um pouco mais vermelho que Sycorax.[4] Caliban absorve luz em 0,7 um, e é possível que isso seja resultado de de água líquida que modificou a superfície.[9]

A curva de luz sugere que o período de rotação de Caliban é de cerca de 2,7 horas.[4]

Origem[editar | editar código-fonte]

Pensa-se Sycorax é um objeto capturado, que não se formou no disco de acreção, que existiu em volta de Urano logo depois de sua formação. O mecanismo exato da captura é desconhecido, mas capturar uma lua exige dissipação de energia. O possível processo de captura pode ser gás arrastado no disco protoplanetário, interação de muitos corpos e captura durante o rápido aumento da massa de Urano.[3][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Planetary Satellite Mean Orbital Parameters». Jet Propulsion Laboratory. Consultado em 19 de março de 2011 
  2. a b c d «Planetary Satellite Physical Parameters». Jet Propulsion Laboratory. Consultado em 19 de março de 2011 
  3. a b c d e Sheppard, Scott S.; David C. Jewitt, Jan Kleyna (2005). «An Ultradeep Survey for Irregular Satellites of Uranus: Limits to Completeness» (pdf). The Astronomical Journal. 129 (1): 518–525. doi:10.1086/426329. Arxiv. Consultado em 20 de outubro de 2009 
  4. a b c Maris, Michele; Giovanni Carraro, Gabrielle Cremonese, Marco Fulle (2001). «Multicolor Photometry of the Uranus Irregular Satellites Sycorax and Caliban». The Astronomical Journal. 121 (5): 2800–2803. doi:10.1086/320378. Consultado em 14 de setembro de 2008 
  5. a b «Planet and Satellite Names and Discoverers». Gazetteer of Planetary Nomenclature. USGS Astrogeology. 21 de julho de 2006. Consultado em 19 de março de 2011 
  6. a b Gladman, Brett J.; Nicholson, Philip D.; Burns, Joseph A. et al. (1998). «Discovery of two distant irregular moons of Uranus». Nature. 392: 897–899. doi:10.1038/31890 
  7. a b c Grav, Tommy; Holman, Matthew J. (2004). «Photometry of irregular satellites of Uranus amd Neptune». The Astrophysical Journal. 613: L77–L80. doi:10.1086/424997. Arxiv 
  8. Rettig, Terrence W.; Walsh, Kevin; Consolmagno, Guy (2001). «Implied Evolutionary Differences of the Jovian Irregular Satellites from a BVR Color Survey». Icarus. 154: 313–320. doi:10.1006/icar.2001.6715 
  9. Schmude, Richard (2008). Uranus, Neptune, Pluto and How to Observe Them. [S.l.]: Springer. ISBN 0387766014, 9780387766010 Verifique |isbn= (ajuda) 
Ícone de esboço Este artigo sobre um satélite natural é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.