Calide ibne Ualide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicione esta.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Calide ibne Ualide/Alvelide[1] (em árabe: خالد بن الوليد; transl.: Khalid ibn al-Walid/Khaled ibn al-Walid), também conhecido como Ceife Alá Almaslul (Sayf-Allāh al-Maslūl, "Espada de Deus") e como Chaledos no Ocidente (584642) foi um dos principais generais do Império Árabe-Muçulmano, durante as conquistas islâmicas do século VII.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Calide nasceu por volta de 584 na cidade de Meca. Era filho de Ualide ibne Almugira, chefe do clã Banu Maczum dos coraixitas, um clã especializado em combates.

Quando adulto, Calide era bem conhecido entre os coraixitas por suas habilidades de luta. Seguindo-se ao surgimento do Islamismo, muitas batalhas foram travadas entre os seguidores de Maomé e as tribos coraixitas. Acredita-se que o gênio militar de Calide foi o responsável por transformar a Batalha de Uhud em uma "total" vitória das forças coraixitas quando tudo indicava que parecia uma derrota certa.

Após o tratado de Hudaybiyyah, Calide se converteu ao Islão. Após se converter, se encontrou com Maomé pessoalmente e elogiou suas ações anteriores. Ele pediu para que Maomé rezasse a Deus e perdoasse Calide, e concordou em lutar pelo Islã a partir de então.

Três meses após a chegada de Calide a Medina, Maomé enviou um representante aos gassânidas com uma carta pedindo a sua chefia se converter ao Islã. Enquanto passava por Mu'tah tal enviado foi interceptado e morto por chefes locais gassânidas pelo nome de Xurabil ibne Amir. As notícias de tal ataque inflamaram Medina.

Imediatamente uma expedição militar punitiva foi preparada contra os Gassânidas. Na época da morte de Zaide, o comando foi transferido para Jafar ibne Abi Talbine, enquanto que se Jafar fosse morto, o comando poderia voltar para Abdalá ibne Rawahah, e se todos os três fossem mortos, o pessoal da expedição selecionaria um comandante entre eles mesmos.

Após os três comandantes nomeados serem aniquilados, Calide foi escolhida como o comandante e ele foi capaz de manter seu exército de 3000 soldados contra o Império Bizantino e árabes gassânidas no que ficou conhecido como a Batalha de Mu'tah.

Quando Calide liderou uma expedição contra o Banu Jadhimah, ele os persuadiu a se desmarmarem ao ser que eles se tornaram muçulmanos, e matou alguns deles. Quando Maomé soube disso, ele declarou que Deus era inocente do que Calide fez, e enviou Ali ibne Abi Talibe para pagar a compensação dos sobreviventes. (al-Tabari, Victory of Islam, trans. Michael Fishbein, Albany 1997, pp. 188 ff.)

Quando Abu Baquir sucedeu Maomé como califa, ele enviou Calide contra Banu Taim, e Ikrīmah ibn Abu Jahl (Amr ibn Hishām) contra Musaylimah em Iamama. Durante o califado de Abu Baquir, Calide foi responsável por debelar a revolta liderada por Musaylimah na Batalha de Agrabá.

Referências

  1. Alves 2014, p. 203; 841.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Adalberto (2014). Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa. Lisboa: Leya. ISBN 9722721798 
Ícone de esboço Este artigo sobre o Islamismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.