Campo escalar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Um campo escalar representando, por exemplo, pressão ou temperatura, pode ser ilustrado utilizando-se variação de cores.

Em matemática e física, um campo escalar associa um escalar a todo ponto no espaço. O escalar pode ser tanto um número matemático ou uma quantidade física.Campos escalares têm de ser independentes de coordenadas, significando que quaisquer dois observadores usando o mesmo sistema de unidades concordarão no valor do campo em um mesmo ponto absoluto no espaço (ou espaçotempo) quaisquer que sejam seus respectivos pontos de origem. Campos escalares são geralmente utilizados na física, por exemplo, para indicar a distribuição de temperatura pelo espaço, a pressão do ar, assim como campos quânticos de spin-zero, tais como o Campo de Higgs. Esses campos são tratados na Teoria dos Campos Escalares.

Definição[editar | editar código-fonte]

Um campo escalar é uma função de R para R. Isto é, ele é uma função definida em -dimensional do espaço euclidiano com valores reais. Geralmente ela precisa ser contínua, ou uma ou mais vezes diferenciáveis, isto é, uma função de classe Matematicamente, um campo escalar em uma região U é um verdadeiro ou função complexa de valor ou distribuição em U. [1] [2] A região de U pode ser um conjunto em algum espaço euclidiano , espaço de Minkowski , ou, mais geralmente um subconjunto de um colector , e é típico em matemática para impor outras condições no campo, de modo que seja contínuo ou muitas vezes continuamente diferenciável em alguma ordem. Um campo escalar é um campo tensor de ordem zero, [3] e o termo "campo escalar" pode ser utilizado para distinguir uma função deste tipo com um campo mais geral do tensor, a densidade , ou a forma diferencial .

Fisicamente, um campo escalar é adicionalmente distinguido por ter unidades de medida associadas com ele. Neste contexto, um campo escalar também deve ser independente do sistema de coordenadas utilizado para descrever o sistema físico, isto é, quaisquer dois observadores usando as mesmas unidades devem concordar sobre o valor numérico de um campo escalar, em determinado ponto do espaço físico. Campos escalares são diferentes de outras representações matemáticas, tais como campos de vetores , que associam um vetor para cada ponto de uma região, bem como campos de tensores e campos spinor . Mais sutilmente, campos escalares são frequentemente contrastado com campos pseudoescalares.

O campo escalar pode ser visualizado como um espaço -dimensional com um número real ou complexo relacionado a cada ponto no espaço.

O gradiente é um operador que atua em um campo escalar, o levando a um campo vetorial.

Se um campo escalar é independente do tempo, o mesmo é dito estacionário ou permanente.[1]

Campos Escalares na Física[editar | editar código-fonte]

Na física, campos escalares frequentemente descrevem a energia potencial associada a uma dada força. Como a Força constitui um campo vetorial, que pode ser obtido como o gradiente do campo escalar de energia potencial. Assim, podemos citar, como exemplos:

Ícone de esboço Este artigo sobre geometria é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Exemplos na Teoria Quântica e Relatividade[editar | editar código-fonte]


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Spiegel, Murray R. (1967). Serie Schaum: Análisis Vectorial. México: McGraw-Hill. 3 páginas 
  2. Técnicamente, píons são exemplos de mésons pseudoescalares, os quais não são invariáveis sob inversão espacial, mas são de outros modos invariantes sob transformações de Lorentz.
  3. P.W. Higgs (outubro de 1964). «Broken Symmetries and the Masses of Gauge Bosons». Phys. Rev. Lett. 13 (16). 508 páginas. Bibcode:1964PhRvL..13..508H. doi:10.1103/PhysRevLett.13.508 
  4. Guth, A. (1981). «Inflationary universe: A possible solution to the horizon and flatness problems». Phys. Rev. D. 23. 347 páginas. doi:10.1103/PhysRevD.23.347 
  5. Cervantes-Cota, J. L.; Dehnen, H. (1995). «Induced gravity inflation in the SU(5) GUT». Phys. Rev. D. 51. 395 páginas. doi:10.1103/PhysRevD.51.395