Casamento eterno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O casamento eterno, casamento celestial ou selamento é uma ordenança da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Doutrina e Convênios cita esta ordenança sob o nome de novo e eterno convênio.[1]

Os casamentos eternos são realizados apenas nos Templos (A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias diferencia templos e capelas de forma semelhante à diferença entre o Templo de Salomão e as sinagogas para os judeus) entre um casal de seus membros com uma recomendação para visitar esses lugares. Vale lembrar que a Igreja ainda realiza cerimônias de casamento em suas capelas, mas estas cerimônias (que têm valor jurídico legal) são consideradas finitas pelo termo desta vida.

Ao ser selados o casal faz um convênio com Deus e recebe a promessa de que se permanecerem fiéis durante sua vida, permanecerão unidos como família após a vida mortal.

Para realizar esse tipo de casamento é necessário ter uma vida digna, ter um alto padrão de conduta cristã, cumprindo com todos os mandamentos e costumes (do ponto de vista da doutrina mórmon), e ainda passar por duas entrevistas para obtenção de uma recomendação assinada primeira é com o bispo da unidade da Igreja correspondente ao membro, a segunda é com o Presidente da Estaca (unidade da igreja que administra várias congregações - Alas ou Ramos).

O casamento no Templo é conhecido entre os membros da igreja como selamento eterno ou casamento celestial e é também a ordenança máxima que um mórmon pode realizar em vida para voltar a presença de seu Pai Eterno, devendo então após sua realização perseverar até o fim.

Swedenborg[editar | editar código-fonte]

Um conceito de casamento celestial foi descrito por Emanuel Swedenborg desde 1749. O termo latino de Swedenborg conjugium coeleste foi traduzido como "casamento celestial" por John Clowes em 1782.[2] Em todos os seus escritos autoritativos,[3] Swedenborg apenas menciona o termo casamento celestial duas vezes.[4][5]

Swedenborg definiu o casamento celestial como o casamento do amor com sabedoria ou do bem com a verdade. Ele escreveu: "Verdade e bem juntos são o que é chamado de casamento celestial, que constitui o próprio céu com uma pessoa".[6] Swedenborg não usa "casamento celestial" para se referir ao casamento de marido e mulher, embora ele diga que o casamento de marido e mulher tem sua origem no casamento celestial de bondade e verdade.[7]

De acordo com Swedenborg, o verdadeiro amor casado forma um vínculo eterno, uma união real de mentes, para que os parceiros que realmente se amam não sejam separados pela morte, mas continuem casados até a eternidade.[8] Ele escreve que esse amor é "celestial, espiritual, santo puro e limpo acima de todo amor que existe do Senhor com os anjos do céu e as pessoas na igreja".[9] Ninguém pode entrar nesse amor, diz ele, a não ser aqueles que são monogâmicos e "que vão ao Senhor e amam as verdades da igreja e fazem as coisas boas que ela ensina".[10]

Craig Miller investigou a possibilidade de o Swedenborg ter influenciado Joseph Smith, pois há semelhanças entre alguns de seus ensinamentos. Ele conclui que Smith pode ter aprendido algo sobre Swedenborg através de terceiros, mas é improvável que tenha lido muito, se é que leu algum, dos trabalhos de Swedenborg por si próprio. Entre as conexões de Smith estava Sarah Cleveland, que era casada com um swedenborgiano na época de seu casamento plural com Smith em 1842.[11] Foi pouco depois, em julho de 1843, que Smith registrou o recebimento de uma revelação sobre o casamento eterno em Doutrina e Convênios 132.[12]

Referências

  1. Vide Doutrina e Convênios (D&C) secção 132.
  2. Arcana Coelestia, John Elliot, trans., (London: Swedenborg Society, 1983), §162.
  3. Swedenborg, E. Which of Swedenborg's books are Divine revelation? (accessed 08/13/2011)
  4. Arcana Coelestia’’ 162
  5. Divine Love and Wisdom #414
  6. Swedenborg, Arcana Coelestia §10300.
  7. Swedenborg, Conjugial Love §83, Arcana Coelestia §2739
  8. Swedenborg, Heaven and Hell §§366-386, Conjugial Love §§27, 45.
  9. Swedenborg, Conjugial Love §180.
  10. Swedenborg, Conjugial Love §70.
  11. Craig Miller, "Did Emanuel Swedenborg Influence LDS Doctrine?"
  12. Doctrine and Covenents 132
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.