Castelo de Alfeizerão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Castelo de Alfeizerão
Cast alfeizerao 6.jpg
Vestígios do Castelo de Alfeizerão, Portugal.
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção D. Afonso Henriques (c. 1147)
Estilo Românico
Conservação Mau
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL (Despacho) de 9 de Dezembro de 1974)
Aberto ao público Não
Site IHRU, SIPA 6701
Site IGESPAR 73602
Castelo de Alfeizerão, Portugal: vestígios. Aproximadamente ao centro, o marco geodésico.

O Castelo de Alfeizerão localiza-se na freguesia e povoação de Alfeizerão, concelho de Alcobaça, na região Oeste, em Portugal.

Em posição dominante sobre uma colina, originalmente dominando um porto de mar, dista hoje cerca de três quilômetros da enseada de São Martinho do Porto. A povoação alcançou fama gastronômica internacional em virtude de seu pão-de-ló.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Embora carecendo de aprofundamento das pesquisas, a primitiva ocupação desta região litorânea remonta à pré-história. Durante muito tempo admitiu-se (e muitos assim o escreveram) que se teria localizado aqui a Eburóbriga Galo-celta, que à época Romana se denominou Eburobrício (em latim: Eburobritium). Esta hipótese foi descartada a partir de 1995, pela descoberta da Eburobrício romana junto a Óbidos.

Parece provável, porém, em virtude de alguns achados e vestígios arqueológicos, e, ainda, interpretando o geógrafo Ptolomeu, que junto a Alfeizerão se tenha localizado Araducta. Esta tese é defendida pelo Prof. Vasco Gil Mantas, da Universidade de Coimbra.

Com base no topónimo e nas referências ao castelo, é costume atribuir aos Muçulmanos a fundação de Alfeizerão no século VIII. Nos nossos dias, porém, o Prof. Moisés Espírito Santo, da Universidade Nova de Lisboa, fez recuar a data da fundação ao tempo dos Fenícios, sustentando que o topónimo tem origem nos dialectos Púnicos que, segundo afirma, os Lusitanos falavam.

O castelo medieval[editar | editar código-fonte]

No contexto da Reconquista cristã da Península Ibérica, a região foi tomada em 1147 pelas forças de D. Afonso Henriques (1112-1185), que teria determinado a sua reedificação, visando a defesa do trecho do litoral atlântico entre o promontório da Nazaré e a península de Peniche.

O mais antigo documento, até hoje conhecido, em que o topónimo aparece é uma carta de doação datada de 1287: Doaçam das cousas que entrarem pollo porto de selir a Rainha dona ysabel a fora certas cousas (…). Dante eno alfeysarã. IX dias de Juynho.

A povoação recebeu Carta de Foral em 1332, dada pela Abadia de Alcobaça e pelo abade D. João Martins. Esta carta foi confirmada em 1422, pelo abade Fernão do Quental (ou Fernando Quental), e novamente confirmada, em 1514, pelo rei D. Manuel (1495-1521).

Do terramoto de 1755 aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

Progressivamente assoreado, ainda ao fim do século XVI estimava-se que este porto acolhia oitenta navios de alto bordo. O castelo, em cujo paço se albergavam os soberanos a caminho de Alcobaça, foi parcialmente destruído pelo terramoto de 1755, perdendo importância desde então.

O castelo e seus domínios permaneceram na posse da Abadia de Alcobaça até à extinção das Ordens Religiosas por D. Maria II (1826-1828; 1834-1853) em 1834, quando passaram para a posse da Fazenda Nacional. O terreno do castelo esteve, desde então, na posse de particulares de Rio Maior e das Caldas da Rainha. No século XX, desde a década de 1920 à de 1970, foi propriedade do Dr. Júlio Ferrari. Desde então, encontra-se na posse de uma família de Alfeizerão.

Em 1973 foi formulada uma proposta de limpeza e consolidação das ruínas, com a prospecção arqueológica do sítio, classificado como Imóvel de Interesse Público por Despacho de 9 de Dezembro de 1974. Os trabalhos, entretanto, não tiveram lugar desde então, e assim, ano após ano, o estado de conservação do sítio tem piorado - sendo pouco visível o que resta.

Características[editar | editar código-fonte]

O castelo apresentava planta retangular, em estilo românico. As suas muralhas, em cantaria de pedra, eram reforçadas, originalmente, por oito cubelos semi-circulares. Na praça de armas, descentrada a Leste, erguia-se a Torre de Menagem, de planta quadrada.

Chegaram até aos nossos dias a parte inferior de um pano de muralha, ligando os restos de dois cubelos. Sobre um deles está implantado, modernamente, um marco geodésico.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALMEIDA, Carlos Casimiro de. Alfeizerão - Apontamentos para a sua História. Alfeizerão: Junta de Freguesia de Alfeizerão, 1995.
  • ESPÍRITO SANTO, Moisés. Cinco Mil Anos de Cultura a Oeste. Lisboa: Editora Assírio & Alvim, 2005.
  • GONÇALVES, Iria. Património do Mosteiro de Alcobaça nos séculos XV e XVI. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas), 1989.
  • MANTAS, Vasco Gil. A Rede Rodoviária Romana e Medieval entre Lisboa e Braga. Coimbra: Faculdade de Letras de Coimbra. Dissertação de Doutoramento em História, 1996 (policopiada).