Cinnamomum camphora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se foi redirecionado(a) para esta página e não é a que procura, consulte: Cânfora.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaCinnamomum camphora
canforeira, cânfora
Cinnamomum camphora (ilustração de Köhler's Medizinal-Pflanzen)

Cinnamomum camphora (ilustração de Köhler's Medizinal-Pflanzen)
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Laurales
Família: Lauraceae
Género: Cinnamomum
Espécie: C. camphora
Nome binomial
Cinnamomum camphora
(L.) J.Presl
Uma canforeira centenária, com idade estimada de 1000 anos (Japão).
Folhagem de Cinnamomum camphora.
Flores de Cinnamomum camphora.
Ilustração mostrando os frutos de Cinnamomum camphora

Cinnamomum camphora (L.) J. Presl, conhecida pelo nome comum de canforeira, é uma árvore de grande porte, que pode atingir os 20 m de altura, pertencente à família Lauraceae e ao género Cinnamomum,[1][2] o mesmo da árvore que produz a canela. Esta árvore é nativa do Extremo Oriente, particularmente do Taiwan, do Japão e da China meridional. A espécie é rica em óleos essenciais, sendo cultivada como árvore ornamental e para produção de cânfora.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Cinnamomum camphora é uma grande árvore (megafanerófito) de folha perene, com ramos frágeis que alcançam os 20 metros de altura.

As folhas são de filotaxia alterna, pecioladas, de forma ovalada, coriáceas e acuminadas, de coloração verde brilhante e com três nervuras principais. As folhas apresentam nas axilas umas pequenas glândulas.

As flores são brancas amareladas e ocorrem em maio-junho, agrupadas em panículas corimbosas dispostas nas suas axilas. O fruto é uma baga em forma de globo de coloração avermelhada que se torna negro quando amadurece.

A espécie apresenta uma fitoquímica complexa, rica em princípios activos. O óleo de cânfora é obtido por destilação a vapor da madeira desta espécie.

A planta tem distribuição natural na sueste da China, Taiwan e Japão, sendo comum na China e Japão. A espécie é cultivada em numerosos países de clima cálido e nas regiões costeiras do Pacífico dos Estados Unidos.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie Cinnamomum camphora foi inicialmente descrita por Lineu, como Laurus camphora, sendo incluída no género Cinnamomum por Jan Svatopluk Presl em texto publicada em O přirozenosti rostlin aneb rostlinář 2: 47. 1825.[3]

A etimologia do nome genérico Cinnamomum deriva do grego kinnamon ou kinnamomon, que significa madeira doce. O epíteto específico camphora é de origem latina e significa "cânfora".[4]

A espécie apresenta um vasta sinonímia, a qual inclui:[5]

  • Camphora camphora (L.) H.Karst.
  • Camphora hahnemannii Lukman.
  • Camphora hippocratei Lukman.
  • Camphora japonica Garsault
  • Camphora officinarum Nees
  • Camphora officinarum Bauh.
  • Camphora officinarum var. glaucescens A.Braun
  • Camphora vera Raf.
  • Camphorina camphora (L.) Farw.
  • Cinnamomum camphoriferum St.-Lag.
  • Cinnamomum officinarum Nees ex Steud.
  • Laurus camphora L. (basónimo)
  • Laurus camphorifera Salisb.
  • Laurus gracilis G.Don
  • Ocotea japonica (Garsault) Thell.
  • Persea camfora Spreng.
  • Persea camphora (L.) Spreng.

Etnobotânica[editar | editar código-fonte]

Esta árvore é a origem da cetona conhecida como cânfora (C10H16O), uma substância branca, cristalina, com um forte odor característico e obtida a partir da seiva. A extracção é feita pela oxidação do pineno (parte principal da essência de terebentina). É uma combinação acíclica. Apresenta-se em grandes massas brancas, grano-cristalinas, translúcidas de cheiro particular penetrante e de um sabor um tanto amargo. É pouco solúvel na água, dissolvendo-se facilmente no álcool, éter e demais solventes orgânicos. Volatiliza-se desde a temperatura comum. É usada na fabricação de celulóide e de pólvora sem fumo.

Conhecida desde a antiguidade, a cânfora é utilizada como incenso e no preparo de medicamentos.

Diz-se que seu cheiro é inibidor de aranhas e traças. Para tanto, é recomendável a diluição em álcool para o seu borrifamento nas paredes e armários.

Princípios ativos: terpenos (alfa-pineno, nopineno, canfeno, dipenteno, cariofileno, cadineno, bisaboleno, canfazuleno etc.), álcoois (borneol, linalol, alfa-terpinol etc.), cetonas (cânfora, piperitona), óxidos (cineol etc.)

Quando utilizada em medicina tradicional são atribuídas as seguintes propriedades à às suas folhas e casca:[6]

  • Em grandes doses é narcótico e irritante, sem embargo de em doses pequenas ser sedante, antiespasmódico, diaforético, anti-helmíntico e balsâmico.
  • Em aplicação externa pode aliviar as dores de cabeça e neuralgias. (de preferência com recurso ao álcool canforado).
  • Também se utiliza o álcool canforado para aliviar as dores de dentes.
  • Deve utilizar-se sob controlo médico pois a intoxicação produz dor gástrica e vómitos, debilidade e rigidez muscular.
  • As aves são muito sensíveis aos seus vapores e se expostas a eles podem perecer em 15 minutos.

Notas

  1. «Cânfora» (em inglês). The Plant List. 2010. Consultado em 25 de julho de 2014. 
  2. Missouri Botanicaal Garden (2014). Tropico, ed. «Cânfora» (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2014. 
  3. «Cinnamomum camphora». Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. Consultado em 25 de maio de 2013. 
  4. «En Epítetos Botánicos». www.winternet.com 
  5. «Cinnamomum camphora em PlantList». www.theplantlist.org 
  6. Berdonces i Serra. Gran Enciplopedia de Plantas Medicinales (ISBN 84 305 8496-X).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AFPD. 2008. African Flowering Plants Database - Base de Donnees des Plantes a Fleurs D'Afrique.
  • Berendsohn, W.G., A. K. Gruber y J. A. Monterrosa Salomón. 2009. Nova Silva Cuscatlanica. Árboles nativos e introducidos de El Salvador. Parte 1: Angiospermae - Familias A a L. Englera 29(1): 1–438.
  • Comité Editorial de Flora of China. 1988-2013. Flora of China (Checklist & Addendum). Sin paginar. En C.Y. Wu, P.H. Raven y D.Y. Hong (eds.) Fl. China. Science Press y Missouri Botanical Garden Press, Pekín y S. Louis.
  • Killeen, T. J., E. García Estigarribia y S. G. Beck. (eds.) 1993. Guía Árb. Bolivia 1–958. Herbario Nacional de Bolivia y Jardín Botánico de Misuri, La Paz.
  • Linares, J.L. 2003 [2005]. Listado comentado de los árboles nativos y cultivados en la república de El Salvador. Ceiba 44(2): 105–268.
  • Molina Rosito, A. 1975. Enumeración de las plantas de Honduras. Ceiba 19(1): 1–118.
  • Nasir, E. y S. I. Ali (eds). 1980-2005. Fl. Pakistan Univ. of Karachi, Karachi.
  • Werff, H. v. d. 1993. Cinnamomum (Lauraceae). 3 pp.
  • Wunderlin, R. P. 1998. Guide Vasc. Pl. Florida i–x, 1–806. University Press of Florida, Gainseville.
  • Zuloaga, F. O. 1997. Catálogo de las plantas vasculares de la Argentina. Monogr. Syst. Bot. Missouri Bot. Gard. 74(1–2): 1–1331.
  • Comité Editorial de Flora of China. 2008. Flora of China (Menispermaceae through Capparaceae). 7: 1–499. En C.Y. Wu, P.H. Raven y D.Y. Hong (eds.) Fl. China. Science Press y Missouri Botanical Garden Press, Pekín y S. Louis.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cinnamomum camphora