Cohen Fusé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cohen Fusé
Nascimento 1944
Buenos Aires
Morte 04 de julho de 2019 (75 anos)
Estoril, Portugal
Nacionalidade Argentina hispano-argentina
Área Artes Plásticas
Formação Arquitecto
Página oficial
[1]
OBERTURA (2018), óleo/tela, 116X89 CM

Luís Cohen Fusé 20 de agosto de 1944Estoril, 4 de julho de 2019) foi um artista plástico , pintor e arquitecto hispano-argentino. [1]

Biografia / Obra[editar | editar código-fonte]

In the beginning, 2010,Óleo/tela, 146x114cm

Luis Cohen Fusé nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 1944, no seio de uma família de raíz europeia. Desde tenra idade, sentiu um grande interesse no desenho e um grande fascínio pelo Oriente, que o levou a estudar cerâmica e artes plásticas na Escola de Belas Artes de Mar del Plata , cidade balnear a 400km. da capital argentina em que decorre a sua infância e juventude. Formou-se, em 1973, em arquitectura pela Universidade Nacional de Buenos Aires e alternou seus estudos com seu trabalho como artista e designer de figuras e cenografias para várias companhias de dança e teatro. Fez uma viagem de fim de carreira à Europa e decide-se estabelecer em Barcelona, onde opta pela sua dedicação integral ao trabalho artístico em detrimento da arquitectura. Lá, ele estuda gravura e litografia na Escola de Belas Artes e relaciona-se com os grandes pintores espanhóis da época. Conhece a Salvador Dalí , de quem ele recebe conselhos valiosos que o marcam na sua carreira profissional. Em 1976, adoptou a dupla nacionalidade espanhola-argentina. Já na década de 1980 instalou o seu ateliê em Madrid. É convidado em 1982 a Portugal e apaixona-se pela luz e as cores do Estoril, onde viveu desde então até sua morte em julho de 2019. [2] [3] [4] [5]

Gardens-Serralves,Óleo sobre tela, 2003, 130x130cm

[6]Em 1988, assinou contrato com a Vorpal Gallery e fez exposições nos EUA , especialmente em Nova York e San Francisco e também no Canadá . Participou em inúmeras exposições individuais e colectivas desde 1963 na Argentina, Brasil, Venezuela, Bélgica , U.S.A., Espanha e Portugal. Também tem um vasto trabalho de azulejos espalhados por todo o mundo e de pintura mural. Artista multifacetado e versátil trabalhou em todo tipo de suportes como o desenho de jóias, pintura mural ao fresco e azulejo, escultura, desenho de figurinos para dança e teatro,pintura de cavalete, etc. Sua obra está representada em várias instituições e colecções privadas tanto em Portugal como no estrangeiro entre as que destacam: Caja Madrid – Madrid, Fundação Miró – Barcelona, – Banco Comercial Português – Lisboa , Colecção de Arte do grupo Estoril Sol ; Museu de Lérida ; Museu de Arqueología e Etnografia de Setúbal , Banco Português do Atlântico ; Colecção do ICEP , Lisboa ; Conde du Barry, Paris ; Maximiliano de Habsburgo, Berlim ; Colecção Adría, Barcelona; Palácio da Ajuda , Lisboa ; Palácio Marquês de Pombal, Oeiras ; Fundação Marquês de Pombal, Lisboa ; Fundação D. Luis: “Centro Cultural de Cascais” ; Museu do Oriente , Lisboa

Entre as suas exposições mais importantes em Portugal estão as que realizou no Palácio da Ajuda , em Lisboa , em 2003 (foi o primeiro artista estrangeiro a ser convidado a expor lá): “Um olhar sobre o Palácio”, que representa a sua reinterpretação dos espaços interiores e exteriores (Jardim Botânico) do Palácio;a do Instituto Cervantes no 2008 , a da Fundação Don Luis, em Cascais , em 2012, “Instintos Onirícos ” e, especialmente, a realizada no 2015 no Museu do Oriente de Lisboa “Namban: Retrospectiva”, com a exibição de mais de 40 obras.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERNANDO DE PAMPLONA: "Diccionário de Pintores e Escultores Portugueses ou que trabalharam em Portugal II". 4ª Edição (Actualizada). Livraria Civilização Editora. ISBN 972-26-1783-4 (II volume).
  • ”10 anos de pintura”. Ed. Galeria Ygrego.
  • Cerâmica Mural Portuguesa Contemporânea de Soraya Burlamaqui. Ed. Quetzal.
  • ”Dicionário de Pintores Ibéricos”. Ed. Barata, Lisboa. -”Percursos”.
  • ”Pintura Espanhola Contemporânea”. Ed. Galeria Heller, Madrid.
  • ”Arte y Mercato”, Milão, Ed. Próspero.
  • Ministério da Cultura/Portugal.
  • Filmoteca Nacional “Artistas em Video” Álvaro Queirós. Museu do Cinema, Lisboa.
  • ”Pintura Contemporânea Portuguesa:100 Pintores. Texto de José Luis Ferreira. Ed. Oro Faber/Chancela Real.
  • ”História de Ambientes” de Graça Viterbo. Bertrand Editora, Lisboa.
  • “Duas Vidas, Muitas Vidas”. Nuno Lima de Carvalho. Ed. Estoril-Sol

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rita Ferro (25 de março de 2012). «Luís Cohen Fusé:"A arte faz-te sentir que Deus olha para nós"» 
  2. «Emigraciones.Pintura de Luis Cohen-». Instituto Cervantes. Lisboa. 1 de outubro de 2010 
  3. Susana Salvador (11 de julho de 2019). «Morreu Cohen Fusé o argentino que pintou o Oriente e fez do Estoril a sua casa». Diário de Noticias 
  4. «Exposição Instintos Oniricos de Cohen Fusé». Fundação D. Luís I. 13 de janeiro de 2012 
  5. Susana Salvador (30 de agosto de 2016). «O argentino do Estoril que pinta o Oriente onde nunca esteve». Diário de Noticias 
  6. «"Namban-Retrospetiva de Cohen». Museu do Oriente. 3 de julho de 2015