Diário Carioca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Diário Carioca foi um periódico brasileiro, fundado no Rio de Janeiro em 17 de julho de 1928 por José Eduardo Macedo Soares e publicado até dezembro de 1965.[1]

Situava-se no número 25 da Avenida Rio Branco, no Centro do Rio de Janeiro. Foi o jornal que introduziu o lide nas matérias, criou o copidesque, lançou o primeiro manual de redação jornalística e foi também o primeiro a cricular no Distrito Federal, em 12 de setembro de 1959, com o nome de DC-Brasília, sob a direção de Elias de Oliveira Júnior. Em 1945, o diário publicou uma manchete sucinta sobre a notícia da troca do ministro da Guerra ("Sai Dutra, entra Goes"), o que foi considerado uma revolução técnica, num tempo em que manchetes eram prolixas.[1]

O Diário Carioca, apoiou com entusiasmo Getúlio Vargas e os revolucionários de 1930, mas mostrou-se desiludido logo nos primeiros meses do governo provisório, passando a defender a constitucionalização do país. Em fevereiro de 1932, numa época em que o Brasil podia ser chamado de "país dos tenentes", isso gerou uma comoção entre os tenentes radicais, que organizaram o "empastelamento" do jornal. A destruição do Diário Carioca por elementos ligados ao Clube 3 de Outubro desencadeou uma crise entre os setores do governo. Maurício Cardoso, então ministro da Justiça, exigiu a apuração das responsabilidades, mas Vargas mostrou-se reticente. Diante disso, Cardoso e outros políticos gaúchos afastaram-se do governo.[2]

Foi no Diário Carioca que o jornalista Armando Nogueira começou sua carreira, em 1950, como repórter — mais tarde, seria redator e colunista.[3]

O Diário Carioca não sobreviveu ao regime militar instalado em 1964 no país, por ser um feroz opositor do governo. Acabou sendo asfixiado por falta de verbas publicitárias, quadro causado pela pressão do governo militar.

Referências

  1. a b Dantas, Pedro (4 de janeiro de 1966). «Diário Carioca». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo. 4 páginas. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  2. Institucional (s/d). «Diretrizes do Estado Novo (1937 - 1945) - Imprensa». CPDOC FGV. Consultado em 13 de março de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. s/a (29 de março de 2010). «Morre o jornalista e comentarista esportivo Armando Nogueira». G1. Consultado em 29 de março de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.